Desde 1984
Coxia
17 de Junho de 2022
Coxia 2689

Reviravolta

Inquérito da Polícia Civil aponta reviravolta no caso do pastor Luiz Henrique, da Assembleia de Deus. Primeiramente acusado por importunação sexual, ele agora foi apontado como vítima após as investigações. Segundo delegados, o religioso sofreu por conluio para ser retirado do cargo à frente do templo.

Abalada

Conforme apurado pelo A Notícia, a mulher está bastante abalada com o desdobramento do caso, mas mantém firme a versão apresentada em sua denúncia. O inquérito, com mais de 200 páginas, foi para a Justiça e o caso ainda não acabou.

Investigação

Conforme a Polícia, um dos motivos do conluio eram intrigas dentro do Templo Arca, para prejudicar o pastor envolvido. Pastor Carlinhos, ex-vereador e líder que assumiu a instituição, não se pronunciou ainda sobre a conclusão da Polícia. Mas deve falar e, se mantiver sua coragem e firmeza dos tempos de Câmara, muita coisa vai vir à tona.  

Recluso

Pastor Luiz Henrique foi afastado de suas funções à frente da igreja, mas nunca foi impedido de participar de cultos e demais atos nos templos. Porém, para a polícia, ele disse que se recolheu em casa, temendo represálias.

Intriga

Nos bastidores, dizem que o caso tomou ares de intriga política pela disputa de poder entre as lideranças da Assembleia, uma das mais respeitadas e sérias instituições religiosas do Brasil, existente há 110 anos. O tempo dirá as respostas...

Sintonia

Na esfera nacional e estadual, os partidos PT e PSD mostraram sintonia em evento de pré-campanha na quarta-feira (15) em Uberlândia. Os pré-candidatos a presidente, Lula (PT) e ao governo de Minas, Alexandre Kalil (PSD) vão caminhar juntos. Eles confirmaram apoio à reeleição do senador Alexandre Silveira (PSD) na disputa ao Senado. 

Será? 

Agora no PSD, mesmo partido de Kalil, o deputado estadual Tito Torres (ex-PSDB) já disse que não sobe no mesmo palanque de Lula. “Sou atleticano e jamais vão me ver com camisa do Cruzeiro”, disse em entrevista recente ao comunicador, correligionário e ex-prefeito Carlos Moreira. Quem também não deve se sintonizar ao ex-presidente Lula é Djalma Bastos, que já anunciou pré-candidatura a deputado federal, em apoio ao amigo e padrinho Alexandre Silveira. Como dizem, não dá para usar luvas e anéis ao mesmo tempo...Mas será?


Almoço

Na segunda-feira (13), o Hospital Margarida ofereceu um almoço a autoridades para estreitar os laços, fortalecer parcerias e apresentar os planos de expansão do hospital. Compareceram o deputado estadual Tito Torres (PSD), o prefeito de João Monlevade, Laércio Ribeiro (PT), o vice-prefeito, Fabrício Lopes (Avante), e vários vereadores. O clima, segundo alguns dos participantes, foi bastante ameno...

De fora

Mas quem não quis comparecer foi Revetrie Teixeira (MDB), que alegou que não seria coerente participar do almoço enquanto recebia reclamações de pacientes sobre mau atendimento. Ele também diz ter recebido indícios de possíveis irregularidades na administração dos recursos públicos destinados ao HM, e fala em promover uma auditoria externa nas contas da instituição e, caso necessário, até uma CPI. Colegas, no entanto, dizem que a Comissão Parlamentar de Inquérito ainda é uma possibilidade distante. Vejamos os desdobramentos...

Simpatia

Durante a reunião da Câmara Municipal desta quarta-feira (15), Revetrie ainda citou que um paciente da UBS Cidade Nova foi instruído por uma enfermeira a fazer uma “simpatia” para melhorar seu estado de saúde ao chegar no posto após o fim do horário da triagem no local. Segundo Revetrie, a secretária de saúde só pode estar em outro planeta e precisa estacionar a navezinha dela... desse jeito, só rezando!

Pedidos

Os vereadores de João Monlevade andam dando trabalho ao poder Executivo cobrando melhorias nos bairros. Uma fonte ouvida pelo A Notícia diz que, até há cerca de duas semanas, os parlamentares enviaram 2.769 pedidos à administração municipal desde suas posses, em 1º de janeiro de 2021. A maior parte são de pedidos de reparos em ruas, limpezas, podas, informações sobre repartições públicas, entre outras. Há também casos de duplicidade, com ofícios ou pedidos idênticos ou muito semelhantes.