Desde 1984
Editorial
06 de Maio de 2022
Limpeza urbana constante

João Monlevade celebrou seu aniversário de 58 anos na semana passada e vários pontos da cidade foram limpos pela Prefeitura. A limpeza urbana não pode parar e é pauta que deve ser constante. É inadmissível, uma região de bares e restaurantes, como a avenida Castelo Branco, “point” da gastronomia e encontro da juventude, ter tanto lixo jogado em seu canteiro central. 

Com o lixo espalhado, cães abandonados e outros animais se aglomeram para comer, piorando a situação. Falando nisso, não é difícil ver cavalos e bois transitando entre as vias de bairros e até na região central. O problema é antigo e nunca foi resolvido por outras administrações e, por isso, merece a devida atenção para ser resolvido. 

A comunidade pode ajudar colocando o lixo orgânico na porta de casa, ou mesmo os donos de estabelecimentos, apenas nos dias da coleta. Isso evitaria o acúmulo de materiais em lixeiras, que acabam transbordando com os resíduos. Se cada um fizer a sua parte, todos ganham e ganham muito.

Claro que a administração, que tem secretarias de Serviços Urbanos e Meio Ambiente, pode cuidar para que a cidade fique cada vez mais bonita. Mas o cidadão pode colaborar mais. Além disso, Monlevade precisa avançar na Coleta Seletiva. 

A Atlimarjom faz, e muito bem, a parte dela, com mais de 25 famílias envolvidas. No entanto, é necessária a ampliação da entidade, para que mais bairros sejam contemplados. Em pleno 2022, dispensar recicláveis no aterro sanitário é perda de dinheiro. Aliás, aterro sanitário já é uma solução ultrapassada, diante de outras tecnologias existentes. Precisamos avançar e muito nessas questões.