Desde 1984
Editorial
10 de Setembro de 2021
Se não economizar vai faltar

O Brasil vive a pior seca dos últimos 91 anos e, assim como outras cidades do país, João Monlevade sofre com esse impacto. A crise hídrica ameaça o abastecimento do município e não está descartado um racionamento. É o velho ditado em evidência: se não economizar, pode faltar. O momento é crítico, ainda mais com o calorão dos últimos dias.

A Prefeitura, a Câmara e o Departamento de Águas e Esgotos (DAE) estudam medidas para minimizar o problema. Porém, antes de ações práticas do governo e agentes políticos, é fundamental que cada um se conscientize do papel, evite desperdícios, confira vazamentos e use a água com racionalidade.

João Monlevade e seu relevo montanhoso, historicamente, sofre com o abastecimento. Bairros altos, como Satélite, Promorar, Planalto, entre outros, só recebem água quando a parte baixa está com as caixas cheias. Por isso, a água pode demorar dias para chegar às casas de quem mora na parte alta. O que é terrível. 

O momento é grave e exige responsabilidade. Até porque, a falta de chuvas traz outro problema: a alta no preço da tarifa elétrica. Além do preço, a falta de chuva pode trazer apagões. Se não chover o suficiente, o país poderá enfrentar séria falta de geração de energia elétrica ainda neste ano. Por isso, não adianta apelar apenas para São Pedro. Cada um deve fazer a sua parte. E já.