Desde 1984
Fabiane Silva Carneiro
04 de Junho de 2021
O desafio de ser mãe e empreendedora: sou mãe de três!
Meu ramo de atividade sempre exigiu de mim uma grande dedicação aos negócios o que, normalmente, já me tomava um dia inteiro de trabalho e, na maioria das vezes, uma parte da noite. Além das atividades profissionais, sou esposa, dona de casa e mãe de três filhos. Filipe tem 14 anos, Lucas tem 10 e Rafael tem 8 anos.

No início do ano passado, todos nós só ouvíamos falar em um vírus totalmente contagioso, mas não esperávamos que fosse chegar tão rápido em nossas vidas e mudar nossa rotina. Foi muito difícil no início! Me senti como um trem que saiu do trilho e que teria que aprender a andar em caminhos diferentes!

Ser mãe, dona de casa, professora, empreendedora nunca foi tão difícil naquele momento, pois passei a exercer essas funções com uma responsabilidade diferente. As aulas online, meu Deus que aulas online.... Tive que virar professora, pois o Lucas e o Rafael precisavam de ajuda o tempo todo.

Enquanto eu sofria com as dificuldades, passei a perceber que eu só iria conseguir fazer com que essa rotina ficasse leve, a partir do momento em que eu aceitasse essa nova realidade. A aceitação é tudo, é o momento em que a gente para de sofrer e começa a enxergar as possibilidades de melhoria e apreende a buscar o lado bom das coisas.

Com toda essa mudança, me aproximei ainda mais dos meninos, pude enxergar o que eles têm de facilidades para desenvolver e as dificuldades que precisam ser trabalhadas. Comecei a perceber a importância de como algumas pequenas ações adotadas na infância podem mudar a vida deles no futuro. Por incrível que pareça, além disso tudo, ainda pude ver que é possível aprender através das aulas online e resolvi, no início desse ano, começar um novo curso superior. Está sendo uma experiência única. Meus filhos me vendo estudar está sendo uma motivação para eles aprenderem a gostar de estudar.

Nós mulheres somos capazes de exercer várias funções, mas não podemos esquecer que somos seres humanos e que, muitas vezes, podemos falhar. Nesses momentos, temos que reconhecer que não somos perfeitas, mas que somos abençoadas e fortes o suficiente para levantarmos novamente e fazer a diferença na vida das pessoas que amamos.

(*) Fabiane Silva Carneiro é formada em Administração de Empresas, pós-graduada em Gestão da Produção, sócia-proprietária da Enjatec e integrante da equipe Acimon Mulher

Charges e textos assinados não retratam necessariamente a opinião do jornal.