Desde 1984
Geral
01 de Agosto de 2022
Saiba como é feito o índice do TCE que avaliou Monlevade com uma das maiores notas da região
Reprodução
Primeiro ano do governo Laércio recebeu nota B, enquanto o último da ex-prefeita Simone, recebeu nota C, a pior da história

Veja também os índices de todos os municípios do Médio Piracicaba

Com foco na análise da infraestrutura e dos processos das Prefeituras mineiras, o Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG) divulgou, na última semana, o Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM) dos municípios. O levantamento avalia a efetividade das políticas e atividades públicas desenvolvidas pelas administrações das cidades, a partir de sete áreas das administrações públicas: Educação, Saúde, Gestão Fiscal, Planejamento, Meio Ambiente, Defesa Civil e Governança em Tecnologia da Informação. 

Segundo o TCE, a avaliação é feita a partir dos dados repassados pelos próprios municípios, por meio de um questionário e as notas seguem os conceitos: A: Altamente Efetiva (90%); B+: Muito Efetiva (entre 75% e 89,99); B: Efetiva (entre 60% e 74,99%); C+: Em Fase de Adequação (entre 50% e 59,99%) e C: Baixo Nível de Adequação (abaixo de 49,99%).

Conforme divulgado, em 2021, primeiro ano da gestão do prefeito Laércio Ribeiro (PT), João Monlevade alcançou a melhor pontuação de sua história no IEGM.  Segundo o tribunal, o município recebeu conceito “B”, classificado como “Efetivo” entre 60% e 74,99% de efetividade.  

Um avanço, se comparado ao último ano do governo da ex-prefeita Simone Carvalho (PTB), quando o município recebeu nota C, que significa “Baixo Nível de Adequação”, com menos de 49,99% de efetividade. Essa foi a pior classificação da cidade no índice, a partir dos dados de 2020.  Vale lembrar que o Tribunal é presidido pelo ex-deputado e uma das maiores lideranças políticas da região, Mauri Torres. Historicamente, ele aliado próximo à ex-prefeita Simone e adversário do atual prefeito Laércio. 

Região

Além de João Monlevade, as melhores notas entre os 17 municípios do Médio Piracicaba, segundo a avaliação, ficaram com Bom Jesus do Amparo, Dionísio, Nova Era, Rio Piracicaba e Sem-Peixe.  Todas as essas prefeituras receberam a nota B, consideradas “efetivas”. As demais foram consideradas “em fase de adequação”, ganhando uma nota C+. A exceção ficou por conta de Dom Silvério, que ficou com uma nota C, considerada de “baixo nível de adequação”. No entanto, nenhum município do Médio Piracicaba foi indicado com a nota B+, considerada “muito efetiva”, ou A, “Altamente Efetiva”. 

Conhecer para melhorar

De acordo com o TCE, a ferramenta permite aos gestores conhecerem a situação de seus municípios e compararem a evolução das políticas públicas. O tribunal afirma que a avaliação proporcionada pelo índice, possibilita a verificação de resultados, a correção de rumos, a reavaliação de prioridades e a consolidação dos planejamentos dos municípios. A iniciativa ainda possibilita a comparação de resultados, o que permite o intercâmbio de boas práticas e o aprimoramento constante das gestões. 

Os dados são públicos e estão disponíveis no Aplicativo Lupa de Minas, que pode ser baixado em todos os celulares. A ferramenta promove o acesso do cidadão às informações sobre as receitas e despesas declaradas pelo gestor municipal ao TCE-MG.  Confira as notas de cada cidade da região neste ano:

Município  Conceitos
Alvinópolis C+
Barão de Cocais C+
Bela Vista de Minas C+
Bom Jesus do Amparo B
Catas Altas C+
Dionísio B
Dom Silvério C
Itabira C+
João Monlevade B
Nova Era B
Rio Piracicaba B
Santa Bárbara C+
Santa Maria de Itabira C+
S. Domingos do Prata C+
S. Gonçalo Rio Abaixo C+
São José do Goiabal C+
Sem-Peixe B
Fonte: TCE/MG App Lupa Minas com dados obtidos junto aos municípios em 2021