Desde 1984
Polícia
25 de Julho de 2022
Ato heróico: Militares enfrentam fogo em casa incendiada para salvar vidas
Divulgação - PMMG

Policiais militares e alguns populares de João Monlevade deram um exemplo de coragem durante um incêndio no bairro Vera Cruz na última semana. Por volta das 19h30 de quinta-feira (21), a PM foi acionada por populares à rua 43, pois uma casa estaria pegando fogo. A ocorrência foi atendida pela cabo Bruna e pelo soldado Mayer, ambos policiais militares.

Assim que chegaram ao local, os vizinhos estavam muito agitados, pois suspeitavam de que alguém ainda estivesse dentro da residência em chamas. Os militares acionaram os bombeiros, mas enquanto eles não chegavam, tiveram de agir. A cabo Bruna, o soldado Mayer e alguns populares não tiveram dúvidas e entraram no imóvel para realizar o salvamento.  Para controlar as chamas, eles se muniram com baldes d’água e mangueiras que conseguiram encontrar.

Dentro de um dos quartos, a suspeita ficou mais evidente: sobre a cama, havia um volume que também era consumido pelas labaredas que se alastravam. Todos acreditavam que era o morador, e a cabo Bruna, o soldado Mayer e o senhor Júlio entraram no quarto levando água e esforçando-se para apagar as chamas do colchão.
Felizmente, eles descobriram que o volume era um amontoado de lençóis e travesseiros.  Mesmo assim, o trabalho de debelar o fogo continuou. Um susto aconteceu quando o televisor que estava num ponto mais elevado explodiu, derrubando o soldado Mayer e o senhor Júlio. O militar ficou inconsciente por alguns segundos, até se recompor e continuar com o combate. 

Um tempo depois, a equipe do Corpo de Bombeiros Militar, comandada pelo sargento Nascimento, chegou ao endereço e apagou as labaredas, prosseguindo com os trabalhos habituais. Uma cadela estava debaixo da cama e foi resgatada. A cabo Bruna, por exemplo, foi atingida na cabeça por algum objeto e ficou com uma saliência (“galo”), enquanto o soldado Mayers precisou ir ao hospital e ser medicado por conta da exposição à alta temperatura e à aspiração da fumaça. O senhor José, morador da casa, chegou depois do incêndio, e apontou como possível causa, uma vela acesa para pagar uma promessa. A Perícia Técnica da Polícia Civil também esteve presente no local. Os policiais foram encaminhados ao Hospital para tratar de escoriações. 

Em nome da vida

Neste ano, a Cabo Bruna já participou de outras ocorrências que marcaram sua carreira. Em fevereiro deste ano, ela estava na sede da Cia Independente e socorreu uma bebê que estava engasgada. Os pais da criança chegaram na sede da Polícia Militar, em estado de choque, e entregaram a criança aos militares pedindo por ajuda, sendo que a bebê, ainda consciente, não respirava devido ao sufocamento. A Cabo Bruna e o Cabo Magalhães ampararam a bebê e iniciaram a manobra de Heimlich, momento que a criança começou a expelir grande quantidade de secreção pelo nariz e pela boca, voltando parcialmente a respiração, mas ainda com extrema dificuldade de respirar. Na ocasião, o Sargento Spindola e o Cabo Jeberson, formado em Enfermagem, seguiram com a criança para o hospital, junto a viatura do Tático Móvel que abria caminho. 

Dias atrás, a Cabo Bruna e o Soldado Marx também evitaram o suicídio de um homem em João Monlevade. Eles passavam pelo local em patrulhamento e viram-no pular de uma árvore com uma corda no pescoço. O soldado Marx conseguiu cortar a corda e ele caiu desacordado. Os militares fizeram procedimentos para a reanimação e acalmaram o homem, que declarou estar arrependido e agradeceu aos PMs pela atitude.