Desde 1984
Geral
17 de Maio de 2022
Mais 83 famílias do Movimento dos Sem Casa recebem escrituras
Ernane Mota - via Acom - PMJM

Segundo a Prefeitura, mais de 160 documentos já foram entregues e garantem a titularidade e a posse dos terrenos

Mais 83 famílias do Movimento dos Sem Casa de João Monlevade receberam a titularidade de seus terrenos. A entrega das escrituras foi realizada na Escola Municipal Cicinha Moura, no bairro Primeiro de Maio, em solenidade na sexta-feira (13). O evento contou com a presença das famílias beneficiadas, autoridades, direção de escolas daquela região, além de líderes do movimento. 

Segundo a Prefeitura, nos últimos dez meses, por meio do Programa de Regularização Fundiária, o governo municipal repassou mais de 160 escrituras, garantindo a titularidade e a posse dos terrenos a essas famílias. O prefeito Laércio Ribeiro (PT), lembrou a luta de mais de 20 anos e a trajetória das famílias. Ele agradeceu a emenda do deputado federal Leonardo Monteiro (PT), que garantiu parte da entrega dos documentos às famílias.

Presente ao evento, o deputado federal, Leonardo Monteiro, disse que a entrega das escrituras para as famílias demonstra o compromisso do governo municipal com a região. “É um sonho realizado. Parabéns ao Movimento por Moradia Popular e a todos vocês pela luta e persistência”, frisou.

Em sua fala, Laércio ressaltou também que em sua gestão ao lado do vice, Fabrício Lopes (Avante), e demais secretários, tem trabalhado com zelo e ética. “Na Prefeitura trabalhamos de uma maneira participativa e tendo compromisso de cuidar do cidadão. Queremos avançar mais e fazer muito mais por essa região”, destacou.

O prefeito lembrou outras ações na área social, como a a compra da Casa do Bem Viver, que receberá reformas; a iluminação com lâmpadas de LED, que tem chegado a diversas ruas da cidade; a recente inauguração do núcleo da Fundação Crê-Ser na região, dentre outros.

Ajuda e luta

O chefe do setor de Habitação da Prefeitura, Antônio Batista Miranda Contrapino, relembrou a luta do movimento por moradia e também a ajuda espiritual dos padres Luciano Andreol (hoje na Arquidiocese de São Paulo) e do padre Luiz Augusto Stefani - o Luizinho, que atualmente está no continente africano. “Temos que agradecer a todos os padres que nos ajudaram. Porém, esses dois estiveram com a gente em momentos mais delicados da luta ”, afirmou Contrapino. O chefe de gabinete, Geraldo Giovani Silva, ressaltou o apoio que a Prefeitura recebeu do deputado Leonardo Monteiro para garantir essas escrituras. “Destacamos a importância do deputado e a sua ajuda na realização desse sonho das famílias”, comentou

Já o assessor de governo, Gentil Bicalho, salientou a luta das famílias em mais de duas décadas para a garantia da posse de seus terrenos. “Antes estávamos presentes com todos vocês e hoje, retornarmos para entregar os documentos”, disse.

Emoção nos depoimentos

Emocionado, o vigário episcopal, padre Marco José Almeida, abençoou as escrituras. O sacerdote falou sobre esse ser um grande momento para aquelas famílias. “Isso não é favor que o governo faz. Isso é direito, que é devolver o que de fato pertence a vocês”, defendeu.

Morador do bairro Primeiro de Maio, Antônio Coelho (67), foi um dos diretores do movimento por moradia na década de 90. Ele comenta sobre sua alegria pela conquista, assim como as demais famílias. “Foi tanta luta para esse dia chegar e é muita emoção. Nunca tive nada em meu nome nesta vida e olha só o que recebo hoje”, disse sorrindo.

Com a escritura em mãos, Dona Cecília Ferreira (64), não parava de mostrar o nome no documento entregue pelo prefeito. “É tanta felicidade. Foi tudo muito difícil até aqui, mas valeu a pena. Ter o documento com meu nome era meu grande sonho”, explicou.

Presenças

Durante a solenidade, também estiveram presentes o presidente da Câmara Municipal, Gustavo Maciel (Podemos);  os vereadores Bruno Cabeção (Avante)Leles Pontes (Republicanos); a diretora executiva da Fundação Municipal Crê-Ser, Helenita Pinto Melo Lopes; o presidente  do Movimento por Moradia Popular, José Lino Tavares; o secretário de Obras, Eduardo Bastos; o procurador jurídico do município, Hugo Marques, e a primeira dama e presidente do Conselho Curador da Fundação Crê-Ser, Rosângela Ribeiro.