Desde 1984
Geral
13 de Maio de 2022
Mais de 200 crianças e adolescentes precisam de ajuda psicológica

Dados estão em levantamento feito por vereador

Um levantamento repassado ao A Notícia pelo vereador Pastor Lieberth (União Brasil), chama a atenção para o estado da saúde emocional das crianças e adolescentes de João Monlevade. Conforme o parlamentar, os dados foram recolhidos em cinco escolas públicas da cidade e indicam que mais de 200 estudantes já fazem ou precisam fazer algum tipo de acompanhamento psicológico. 
Segundo a sondagem, um dos locais mais preocupantes é a Escola Municipal Promorar, onde cem alunos do Ensino Fundamental precisam de assistência. Já na Escola Municipal Israel Pinheiro (Emip), conforme informado por Lieberth, 50 estudantes necessitam urgentemente de algum acompanhamento psicológico. 
Indicadores semelhantes também foram registrados na Escola Municipal Germim Loureiro (Vale do Sol), na qual 45 discentes precisam de ajuda imediata e outros dez já recebem assistência. Na Escola Estadual Manoel Loureiro, são 15 os estudantes que precisam ser acompanhados com urgência, enquanto na Escola Municipal Efigênio Mota (Emem), quatro alunos precisam ser assistidos e outros cinco já o são. 
O vereador Pastor Lieberth já havia manifestado preocupação com o tema durante a votação do projeto que autoriza a contratação de psicólogos, assistentes sociais e um auxiliar de necrópsia pela Prefeitura de João Monlevade. Ele contou que crianças estão tendo crises de ansiedade e até desmaiando na escola, conforme relatos recebidos. 
Lieberth, que também é pastor da 6ª Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ), no bairro Cruzeiro Celeste, relatou que recebe muitos pedidos de ajuda a diversas pessoas com problemas psicológicos. Segundo ele, os distúrbios atingem cidadãos de todas as idades, mas a quantidade de crianças impressiona. 

Acompanhamento

De acordo com a secretária municipal da Educação, Maria do Sagrado Coração Rodrigues Santos, a rede municipal de Educação acompanha e está atenta a essa situação, que tem tido mais ocorrências no pós-pandemia. Ela disse que os pais são informados quando um aluno está com comportamento diferente do habitual. Além disso, caso seja necessário, o estudante é encaminhado para um profissional especializado.
A secretária explica que no dia a dia da escola a coordenação pedagógica orienta os profissionais da Educação para realizarem rodas de conversas como espaços seguros de fala e de escuta com os adolescentes. A rede também incentiva a utilização da arte e do esporte como ferramentas para que os alunos lidem com as emoções.  “Em breve, também serão contratados psicólogos e assistentes sociais para atendimento escolar”, informou ao A Notícia, através da Assessoria de Comunicação. 
Atualmente, segundo a Prefeitura, há em torno de 200 estudantes acompanhados pelo serviço de saúde mental do município. “Não há demanda reprimida e as crianças e adolescentes encaminhados para o setor são atendidos na mesma semana em que são encaminhados”, informa a Assessoria.  A Prefeitura de João Monlevade também anuncia a inauguração, ainda neste mês, do Sésamo IJ (Infanto-juvenil) - unidade voltada para o atendimento de crianças e adolescentes com necessidades relacionadas à saúde mental.