Desde 1984
Região
14 de Janeiro de 2022
Cidades buscam forças para reconstrução

Após enchente que devastou municípios, é hora de organizar para voltar ao normal

 

O Médio Piracicaba luta para se reerguer depois das mais severas inundações em décadas. A partir da noite de sexta-feira (7), a água começou a subir, invadindo residências, comércios e entidades em vários municípios. Quando a água começou a baixar, na terça-feira (11), emergiu o rastro de destruição: lama, lixo, entulho, galhos, mau cheiro. Agora, moradores e o poder público contam os prejuízos, providenciam a limpeza e planejam a reconstrução. 
Em Rio Piracicaba, depois da mais devastadora inundação das últimas décadas, a cidade agora luta para se reerguer. Durante as chuvas, moradores ficaram ilhados e foram resgatados com a ajuda de botes da Polícia e de voluntários. Com a baixa das águas do rio que dá nome à cidade, ruas e imóveis atingidos pela enchente ficaram repletos de lama, lixo, entulho e galhos. A Prefeitura, moradores e voluntários estão agindo para limpar as zonas mais afetadas e retomar, o quanto antes, a vida normal. 
O Executivo piracicabense abriu uma campanha para arrecadar fundos para a reconstrução e o auxílio a quem perdeu tudo. Repasses podem ser feitos pela conta corrente 22025-6 da agência 2546-1 do Banco do Brasil, com chave PIX 18400945000199, o CNPJ da Prefeitura. Quem preferir doar roupas, alimentos ou produtos de higiene pessoal pode entregá-los na igreja Nossa Senhora do Rosário, onde eles serão entregues às famílias. Segundo a administração, será realizada a prestação de contas de todos os repasses e donativos realizados, para dar mais transparência à destinação das doações. A Prefeitura ainda articula junto aos governos federal e estadual o envio de recursos para o reerguimento de Rio Piracicaba. 
Outra cidade que também sofreu foi Nova Era, cortada ao meio pelo rio Piracicaba. A água subiu mais de 8 metros e  cobriu grande parte da ponte Benedito Valadares, a conhecida “ponte dos arcos”, e nos bairros mais baixos, tomou conta do primeiro andar das casas. A água derrubou a ponte pênsil (pinguela do Curro) e as duas pontes, a Benedito Valadares e Eliezer Batista (sem arco), estão interditadas, para veículos e pedestres. “Não há previsão de liberação das pontes, visto que será necessária uma avaliação técnica das estruturas, que só poderá ser feita após o nível do Rio Piracicaba abaixar e estabilizar”, informa a administração.
Quando o rio baixou, restaram a lama, o entulho, os galhos e os pertences destruídos. Até pedras do calçamento foram arrancadas pela correnteza. A partir de quinta-feira (13), a Prefeitura começou a distribuir um kit de limpeza para os moradores atingidos. O Executivo irá encaminhar um projeto de reconstrução da “pinguela”, a ponte pênsil destruída pelas águas. O prefeito de Nova Era, Txai Costa (Rede), concedeu na segunda-feira (10) uma entrevista ao programa Visão CNN, da CNN Brasil, sobre a situação da cidade em meio às maiores inundações dos últimos anos. 
Em Dom Silvério, até à noite desta quarta-feira (12), o trânsito estava fechado na ponte de acesso à cachoeira do Jagode, e a comunidade devia evitar passar pela escada. Um trecho da rua Doutor Francisco Joaquim de Paiva tinha o trânsito proibido para veículos. Já trechos das ruas Miguel Antônio Araújo e José de Souza Rocha foram destruídos. A sede da Prefeitura e a Escola Municipal Nossa Senhora da Saúde estão servindo como pontos de recolhimento de doações de produtos de higiene pessoal: escova e creme dental, sabonete, xampu, condicionador, papel higiênico, toalhas e roupas de cama. Até ontem, a estrada que liga Dom Silvério à vizinha Alvinópolis estava interditada. Alvinópolis também enfrentou muitos problemas devido às chuvas.
Santa Maria de Itabira também foi castigada pelas enchentes, relembrando o pesadelo de fevereiro do ano passado, e está em estado de emergência. Foi aberta uma campanha de arrecadação de donativos, que podem ser deixados na sede da Defesa Civil, na rua José da Silva Braga, no bairro Lambari. As principais necessidades são os colchões de solteiro, os materiais de limpeza e as garrafas de água mineral. O abastecimento de água, realizado pela Copasa, começou a ser normalizado na tarde de quarta-feira, mas como o recurso ainda não chegou a todos os bairros, a Prefeitura pede economia por parte da comunidade. O Executivo manteve o fornecimento para o Hospital Municipal Padre Estevam, o posto de saúde e os abrigos municipais. 
Barão de Cocais também se reconstrói depois de ser varrida pelas tempestades. No sábado, uma violenta enxurrada desceu pelas ruas do bairro Santo Antônio, deixando um rastro de destruição. Nesta quinta-feira (13), a Prefeitura distribuiu fardos de água mineral aos moradores dos bairros Santo Antônio, Santa Cruz, Progresso, Garcia e Nacional. O fornecimento de água encanada está sendo restabelecido pela Copasa. A comunidade pode ajudar os afetados, doando principalmente materiais de higiene pessoal, produtos de limpeza, roupas de cama, mesa e banho e alimentos, em especial leite e biscoitos para as crianças. Os donativos podem ser deixados na rua Waldemira Gonçalves, 71, no bairro Santo Antônio. Quem preferir pode usar a chave PIX da Paróquia São João Batista: obrassociaisbc@hotmail.com . A partir desta sexta-feira (14), serão distribuídos os kits de limpeza aos moradores das áreas atingidas.