Desde 1984
Geral
19 de Novembro de 2021
Prefeitura contrata empresa que vai definir futuro do serviço de ônibus

Serão pagos mais de R$500 mil para consultoria responsável por licitação

Começou o processo que pode promover a maior mudança no transporte público em João Monlevade em mais de 30 anos. Na próxima quinta-feira (25), a Prefeitura de João Monlevade licita a empresa responsável por elaborar o edital de licitação do transporte público de Monlevade, a partir de 2022. O Executivo prevê gastar até R$568.333,33 com consultoria que deverá estudar a melhor forma de cobrança de tarifa ao passageiro e oferecer melhor qualidade nos serviços aos usuários.
 A consultoria é uma promessa do governo de Laércio Ribeiro (PT) para organizar a licitação do transporte público no município, já que o contrato com a Enscon termina em março de 2022. A empresa opera o serviço de ônibus na cidade desde 1990, sempre em regime de exclusividade. A ideia da gestão municipal é que, a partir desse serviço, sejam feitas mudanças e adequações para melhorar o serviço de ônibus em Monlevade, que tem tido muitas críticas e reclamações. A Enscon poderá concorrer na licitação do ano que vem. 
Conforme o edital para escolher a prestadora de serviço, entre os pontos a serem avaliados pela consultoria, estão as rotas, a frota, os horários, o custo, a localização e caracterização dos pontos de parada e o número de passageiros transportados e o de viagens realizadas por dia. A opinião do público sobre o serviço de ônibus e os seus locais de residência e destino também serão considerados. 
O serviço deverá analisar a identidade visual da nova empresa, a adoção de novas tecnologias, a inclusão do transporte escolar no mesmo contrato e a possibilidade de adoção de novas gratuidades, descontos e o bilhete único, que já existe em grandes cidades brasileiras, além da necessidade de um eventual subsídio. 
A abertura das propostas e início do pregão eletrônico está marcado para as 8h30 da próxima quinta-feira (25). Na concorrência, as microempresas e empresas de pequeno porte terão tratamento especial. A empresa vencedora terá de comprovar experiência na área em uma cidade com, pelo menos, 40 mil habitantes, e ter registro no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) ou no Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU). A equipe da ganhadora também terá engenheiros e bacharéis em direito, além de sociólogos, comunicadores ou bacharéis em serviço social, todos especializados em urbanismo.