Desde 1984
Região
12 de Novembro de 2021
Sinal verde para Parque Ecológico Municipal de São Gonçalo
DivulgaçãoPrefeitura de São Gonçalo do Rio Abaixo
Projeção gráfica de área para exposição de artes no Parque Ecológico de São Gonçalo do Rio Abaixo

Os vereadores de São Gonçalo do Rio Abaixo discutiram e aprovaram o projeto de lei nº 31/2021, que “cria o Parque Ecológico Municipal e dá outras providências”, de autoria do Executivo Municipal. Durante reunião conjunta  de comissões na terça-feira (9), o vereador Cássio (PTB) solicitou a prorrogação da suspensão da votação, como ocorreu na reunião do dia 26 de outubro.
Porém, o presidente da sessão, vereador Lulu (PDT), deu continuidade aos trabalhos, negando o requerimento do vereador, com base no artigo 147 do Regimento Interno. O relatório foi colocado então em votação, que foi aprovado, tendo os vereadores Kito (PSDB) e Cássio (PTB) se abstendo de seu voto.
No mesmo dia, antes da reunião, os parlamentares se reuniram, mais uma vez, com o professor Bráulio Magalhães Fonseca, do Departamento de Cartografia da UFMG e coordenador do projeto de revisão do plano diretor do município, para falar sobre a criação do parque ecológico municipal.
Durante a última reunião conjunta das comissões, realizada em 26 de outubro, o vereador Fábio Justino Alves (PSB) solicitou uma audiência pública para que a Prefeitura explicasse como será a desapropriação de algumas áreas para a criação do parque. A Comissão de Legislação e Justiça e de Redação enviou um ofício ao Executivo solicitando os nomes e endereços dos proprietários, para que pudesse ser feito o convite para o encontro. Em resposta, a Prefeitura explicou que ainda não possui a relação dos proprietários, uma vez que aguarda o resultado da votação do projeto de lei para entrar em contato com os donos dos lotes.
Segundo o professor Bráulio Fonseca, cada propriedade será analisada para definir o seu valor, que será também negociado com o proprietário. “Para chegar à negociação, é preciso passar pela apreciação e aprovação do projeto de lei”, explica. Dessa forma, todos serão procurados durante a etapa de trabalho de campo para serem ouvidos. Conforme o professor, modificações no projeto que determina a área do parque também podem ser feitas. 
Neste primeiro momento, de acordo com o professor, é necessário entender a importância do parque para o município. Com relação às propriedades vizinhas, o parque oferece a oportunidade de fomentar o empreendedorismo, além de sua segurança que será benéfica a todos ao seu redor.
Também participaram os vereadores Fábio Justino Alves (Sassá-PSB), Gladston Marcelo de Castro (PDT), Marlon Túlio Pessoa Costa (PL) e Otávio Isidório Teixeira (Tatá-PSDB).