Desde 1984
Geral
22 de Outubro de 2021
Postos de Monlevade já têm filas, mas donos desaconselham corrida

A paralisação dos motoristas de caminhões-tanque, deflagrada nesta quarta-feira (20), provoca corrida aos postos nesta sexta-feira (22).

Durante a manhã, havia somente uma pequena fila em um posto de Carneirinhos. No entanto, ao início da tarde, veículos começaram a alinhar-se em outros pontos de venda. Por volta das 13h30, um posto já estava sem gasolina, dispondo apenas de etanol. 

No entanto, informam responsáveis pelos postos, não há razões para pânico ou corrida aos postos. O A Notícia telefonou para alguns pontos de venda, que, segundo dizem seus gerentes, mantêm o abastecimento como de costume. Um proprietário informou que seu estoque foi reabastecido ontem, e guarda provisões para os próximos dias. Outro também relatou dispor de uma boa reserva, tranqüilizando os motoristas e dispensando a necessidade de afluência massiva. Entre os fatores que podem levar ao esgotamento dos estoques de um posto, estão a capacidade de seu tanque e a data da última reposição. 

A paralisação “tanqueiros” é vista como um “ensaio” para uma greve geral da categoria  prevista para 1º de novembro. As reivindicações são a diminuição do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis, e dos preços dessas mercadorias nas bombas. 

O movimento afeta principalmente a Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim, considerada estratégica para a distribuição em todo o estado. Além de Minas Gerais, o movimento afeta outros cinco estados.

 De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista dos Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Minaspetro), a venda está comprometida em algumas cidades.  O sindicato afirma que entrou em contato formalmente com o governo de Minas e solicitou que o pleito dos caminhoneiros fosse atendido. “Uma das soluções apontadas para se abrir a negociação foi o congelamento do PMPF, base de cálculo para a incidência do ICMS, pleito do Minaspetro desde o início da pandemia. O congelamento do preço de pauta conteria momentaneamente a escalada dos preços na bomba”, informa nota da entidade. 

O Minaspetro também alerta para que a população não faça uma corrida aos postos. “É justamente essa ação que pode causar e agravar o desabastecimento”, diz o comunicado. 

Contrapartida

O governo federal anunciou uma compensação financeira de R$400,00 para 750 mil transportadores e o reajuste da tabela do frete para debelar a crise. No entanto, a classe demonstra não estar satisfeita com as medidas, mantém a promessa de greve e avalia novas mobilizações de protesto.