Desde 1984
Geral
21 de Outubro de 2021
Monlevade terá serviço de saúde mental infanto-juvenil
Divulgação - Acom - PMJM

João Monlevade está prestes a ganhar o primeiro Centro de Atendimento Psicossocial Infanto-Juvenil (Caps IJ). A iniciativa é da Prefeitura que anuncia o serviço como “referência em atendimento a crianças e adolescentes no município e na região do Médio Piracicaba”. 

Um Centro de Atenção Psicossocial (Caps) ou Núcleo de Atenção Psicossocial é um serviço de saúde aberto e comunitário do Sistema Único de Saúde (SUS). Ele é um lugar de referência e tratamento para pessoas que sofrem com transtornos mentais, psicoses, neuroses graves e demais quadros, cuja severidade e/ou persistência justifiquem sua permanência num dispositivo de cuidado intensivo, comunitário, personalizado e promotor de vida. 

A proposta foi levada nessa última quarta-feira (20) à comunidade do bairro Metalúrgico para conhecimento. A ideia inicial é que o Caps IJ seja instalado no antigo centro comunitário do bairro, que hoje pertence à Fundação Municipal Crê-Ser.  Os moradores presentes à reunião aprovaram a proposta, que terá uma contrapartida da Prefeitura com benefícios para a comunidade como espaço multiuso, construção de um vestiário na área do campo, acessibilidade, dentre outros.  Uma nova reunião será agendada para que seja apresentado o projeto com as modificações realizadas no local, bem como a relação da contrapartida do Executivo.

Na reunião, o prefeito explicou a dificuldade e a urgência em se implantar o Caps IJ no município.  “São consultas muito caras na rede particular e para quem não tem dinheiro para arcar fica bastante penoso. Fomos procurados por grupos de pais e mães com filhos autistas que precisam desse atendimento, que relataram o drama de não ter para onde levá-los para atendimento especializado”, comentou.

Além do prefeito, participaram a coordenadora do setor de saúde mental do município, Eliana Bicalho, a médica psiquiátrica e também primeira dama do município, Rosângela Guimarães Ribeiro, bem como a diretora da Fundação Crê-Ser, Helenita Lopes.