Desde 1984
Região
08 de Outubro de 2021
“A marca da gestão é a satisfação das pessoas” - Entrevista - Raimundo Nonato Barcelos, o Nozinho, prefeito de São Gonçalo do Rio Abaixo

O prefeito Raimundo Nonato Barcelos, o Nozinho (PDT), cumpre seu terceiro mandato à frente da Prefeitura de São Gonçalo do Rio Abaixo e, por isso, segundo ele, esse é justamente “o mais desafiador”. Nozinho fala ao A Notícia sobre a sua atual gestão e diz que a marca do governo será a satisfação dos são-gonçalenses. 
Preocupado com o futuro do município, sobretudo com o período pós-mineração, Nozinho defende a diversificação econômica para a geração de empregos, investimentos em educação, com a formação através do Senai e a retomada de conversas com a Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) para instalar um campus em São Gonçalo. Além disso, ele apresenta ações para o meio ambiente, com a criação de um parque ecológico e de um centro de pesquisa ambiental na reserva do Peti, para uma cidade mais sustentável, economicamente desenvolvida e feliz. Confira:

 

Prefeito, o senhor chegou à Prefeitura pela terceira vez. Esse mandato é o mais desafiador?
Sim. Porque nós estamos enfrentando os impactos da pandemia, que é um desafio para qualquer chefe do Executivo. A área da saúde é muito importante e temos que agir com muita prudência, muita segurança, nesse momento que a pandemia está oscilando, uma semana melhor, outra pior. O desafio da pandemia, além de trazer o transtorno da doença, é que também afetou a economia, o emprego das pessoas e, consequentemente, gerou um problema social.

O que mudou no Nozinho do presente em relação ao ex-prefeito do passado?
Sou basicamente a mesma pessoa. Com um pouco mais de paciência, mais contido e menos ansioso, porque a experiência me ensinou que as coisas não se resolvem da noite para o dia. Mas tenho o mesmo entusiasmo de fazer as coisas acontecerem e sempre buscar na educação o desenvolvimento econômico, o crescimento da cidade e, com esse, vem o desenvolvimento social e humano. Até porque, a educação está ligada à evolução das pessoas. 

Como o senhor avalia os nove primeiros meses de governo?
Foram desafiadores, porque toda mudança tem suas adequações, a organização da casa e é isso que estamos procurando fazer.

Qual é a marca que o Nozinho pretende deixar nessa gestão?
Costumo falar que a marca da gestão é a satisfação das pessoas. Vamos sempre buscar a satisfação do cidadão, uma educação de qualidade, uma saúde humanizada e propondo o desenvolvimento econômico, a diversificação da economia do município, lazer para as pessoas.

A diversificação econômica é um assunto em pauta nas cidades mineradoras. Como o senhor vê essa questão em São Gonçalo do Rio Abaixo? 
Vejo como desafio, mas, ao mesmo, é um tema bom para se trabalhar, porque gosto de ver o desenvolvimento e estou sempre buscando isso. Aqui em São Gonçalo temos as ferramentas para fazer isso acontecer. Temos dois distritos industriais com grande potencial de crescimento, temos o Senai para a qualificação de mão de obra, temos boas escolas e um bom ensino, uma boa logística, que são fatores importantes para essa diversificação.

Que ações estão sendo tomadas a respeito?
Investimentos, a busca constante por novas empresas, fortalecimento do nosso comércio. São Gonçalo tem uma logística muito boa, cortada por rodovias importantes, além de estar no centro do estado, próximo a Belo Horizonte, João Monlevade, Itabira. Volto a repetir, São Gonçalo tem toda a logística para o crescimento econômico. Então temos que trabalhar, buscar parcerias com as empresas e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico dando o apoio, que o município estará sempre crescendo.

Falando nisso, a Prefeitura acaba de lançar o Programa Juros Zero para ajudar empreendedores impactados pela pandemia. Qual a importância do Programa?
Queremos fortalecer o comércio e o pequeno empresário e dar mais oportunidades deles crescerem, de se estabilizarem, além também dos Meis (microempreendedores individuais) e produtores rurais.

O senhor enviou para a Câmara um projeto que cria o Parque Municipal do Peti e o Parque Ecológico de São Gonçalo do Rio Abaixo. Qual é a importância da criação desses espaços?
Primeiramente, o Parque do Peti é uma estação ecológica e é um local que pode receber estudantes, pesquisadores, além de ser um centro de pesquisa. É um espaço com características de vegetação do cerrado e mata atlântica, um bioma de transição que é muito importante para os pesquisadores, além de ter obras bastantes antigas que precisam ser preservadas, que não deixam de ser um patrimônio histórico do município. Além da própria represa que já atrai muitas pessoas e é uma região importante para o município.
Já o Parque Ecológico será construído dentro da cidade, vai oferecer lazer para a população, além de ser uma atração para toda a nossa região, com espaço para caminhadas, para ciclistas, trilhas ecológicas na mata, espaço para as crianças e também pode se tornar um museu a céu aberto, com obras de artes para que os visitantes contemplem.

Para o senhor, qual é a São Gonçalo ideal para o futuro?
Uma São Gonçalo com mais qualidade de vida, com pessoas felizes, uma cidade com a economia pujante, sempre buscando a diversificação, com desenvolvimento econômico. O cidadão precisa de educação de qualidade, boa saúde e de emprego para ele se estabelecer e ter qualidade de vida.

Que mensagem o senhor deixa aos são-gonçalenses? 
Uma mensagem de otimismo, sempre acreditando no futuro de São Gonçalo. Estamos buscando novamente o diálogo com a Ufop, com a possibilidade de renovarmos o projeto que já foi assinado em 2012, de ter um campus da universidade no município. Acredito que esse projeto tenha tudo para ser consolidado. Estou muito otimista. Pode ter certeza que vou sempre trabalhar para um futuro melhor para os são-gonçalenses.