Desde 1984
Polícia
27 de Agosto de 2021
Prefeito de Itabira visita procurador-geral de Justiça para reabrir presídio
DivulgaçãoPMI
Reunião aconteceu na sede do MPMG, em Belo Horizonte

A reativação do presídio de Itabira foi tema de uma reunião nesta quarta-feira (25) entre o prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage (PSB), e o procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Jarbas Soares Júnior, na sede do Ministério Público, em Belo Horizonte. Também compareceram ao encontro o vereador e presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Itabira, Bernardo Rosa (Avante); o delegado regional de Polícia Civil da cidade, Helton Cota; o procurador-geral do município, Luiz Edson Bueno Guerra; o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Dênis Martins da Costa Lott; e o presidente do Conselho da Comunidade na Execução Penal de Itabira, o advogado João Paulo de Souza Júnior. 
O presídio, com capacidade para 200 detentos, foi desativado no ano passado sob a alegação de que um eventual rompimento da barragem do Itabiruçu poderia atingi-lo. Os presos foram então levados a outras cidades, o que, segundo a comitiva, causa vários transtornos. Uma auditoria da empresa Walm atestou que a barragem já não apresenta risco de ruptura. Segundo a Vale, que já apresentou um plano de emergência, o presídio do Rio do Peixe não seria afetado mesmo se a estrutura arrebentasse. 
Segundo o delegado regional, os policiais civis precisam escoltar os detidos para outras cidades, o que se torna um inconveniente, problema que, segundo Bernardo Rosa, também se estende aos advogados. Já para João Paulo Júnior, a distância do preso de seus familiares dificulta a ressocialização. Segundo Marco Antônio Lage, a Prefeitura de Itabira se responsabiliza pelas obras necessárias se autorizada a reabertura do presídio, podendo ser pensada uma obra para facilitar a interligação da unidade com a MG-129, tornando mais fácil a evacuação em caso de rompimento. O procurador-geral Jarbas Soares Júnior comprometeu-se a fazer contato com promotores e representantes do Judiciário de Itabira para estudar possíveis soluções para o problema.