Desde 1984
Região
30 de Abril de 2021
Assembleia aprova “Recomeça Minas”: Tito e Mucida são co-autores
Guilherme BergaminiALMG

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aprovou nesta sexta-feira (30) o programa Recomeça Minas, que estimula a retomada econômica no estado. Dentre os co-autores da proposta, estão dois deputados estaduais radicados no Médio Piracicaba, Bernardo Mucida (PSB) e Tito Torres (PSDB). Os deputados comemoraram. 'Defendi a criação deste projeto porque sei a diferença que ele fará na vida das famílias mais pobres e para os pequenos empresários. Além dos incentivos tributários, aprovamos descontos significativos nas contas de energia elétrica de empreendimentos como hotéis, academias, atividades culturais, instituições de ensino, salões de beleza e serviços gráficos, que são setores fortemente atingidos pela pandemia e necessitam de apoio nesse momento', disse Mucida. Tito também falou a importância da medida. 'Apresentei emendas, que foram contempladas no projeto, com o objetivo de contribuir para a recuperação de uma das áreas mais afetadas pela pandemia, a de eventos e entretenimento. É um setor que gera milhares de empregos diretos e indiretos e que, desde o início da pandemia, está impossibilitado de funcionar. As emendas que apresentei garantem benefícios fiscais e vão desonerar o segmento. Além disso, o Recomeça Minas garante um auxílio de R$600 que vai ser um apoio emergencial para as pessoas em situação de vulnerabilidade social no Estado. É um grande plano que vai ser fundamental para a recuperação do Estado no pós-pandemia', destacou. Uma das medidas do programa é o “Força Família”, um repasse único de R$600,00 para famílias carenciadas. Para as empresas, a iniciativa prevê viabilização de descontos de até 95% sobre multas e juros para pagamento à vista do ICMS, bem como o desconto sobre multas e juros de até 100% no caso do IPVA, além de isenção de 50% de ICMS para setores como bares e vestuário. 'A previsão é que cerca de R$ 2 bilhões sejam arrecadados com a renegociação de dívidas tributárias, e tais recursos serão destinados para que os empreendedores mais atingidos possam recomeçar suas atividades após a pandemia, assim como as famílias de baixa renda', reforça Mucida.