Desde 1984
Clésio Gonçalves
08 de Abril de 2022
Antônio Gonçalves, inspirado na Educação

Nesta semana, vi uma postagem do Antônio Carlos Fonseca (o Carlinhos/Cafezinho) sobre as comemorações dos 50 anos do Centro Educacional de João Monlevade, onde aparece foto do meu pai, o ex-prefeito Antônio Gonçalves, e recebi algumas fotos do jornalista Marcelo Melo, de uma homenagem que os ex-alunos da Escola Estadual Geraldo Parreiras (ex-Polivalente) fizeram para ele em 2014. Fiquei bem emocionado!

Meu pai deixou um legado de obras em Monlevade nas diversas áreas, mas em especial, na Educação. Vou citar algumas ações marcantes, que talvez muitas pessoas não sabem. Ele pensava à frente de seu tempo. Há 50 anos, ele construiu o prédio da Escola da Vila Tanque (onde funciona hoje a Faculdade Doctum), com instalações adequadas para implantação de um Curso de Engenharia, inclusive, foi feito convênio com a Escola de Engenharia Kennedy de Belo Horizonte. 

O objetivo principal era ter um curso de engenharia na cidade, o que permitiria aos diversos e competentes técnicos da então Belgo Mineira fazerem o ensino superior com vistas numa possível promoção na empresa ou mesmo na busca de novos mercados de trabalho. Naquela época eram poucas as Faculdades, seria o primeiro curso e Monlevade talvez se tornasse uma cidade universitária já na década de 70. Infelizmente o prefeito que o sucedeu não deu continuidade ao projeto. 

Outra ação de destaque foi a construção da Escola Polivalente (hoje EE Geraldo Parreiras) com a implantação em Monlevade do Projeto PREMEM, um convênio da Secretaria de Estado da Educação, prefeituras municipais e Governo dos Estados Unidos. Considerada a vanguarda da época, a escola tinha estrutura e metodologia ousadas, onde os alunos é que se deslocavam de uma sala para a outra, salas essas geminadas e montadas com itens e equipamentos de primeiro mundo, conforme a disciplina exigia. Havia ainda quatro oficinas/salas de Técnicas Comerciais, Educação para o Lar, Técnicas Agrícolas e Técnicas Industriais, também super equipadas, que tinham o objetivo de despertar no estudante qual seria a sua vocação no futuro, em qual área ele se sentia melhor e com isso escolher qual curso fazer. Com mudança de governos estaduais, o projeto sucumbiu, infelizmente. 

Destaco também uma ação na área socioeducacional. Meu pai criou a Fumbem (Fundação Municipal do Bem Estar do Menor), e na época já atendia cerca de 700 crianças com um programa intenso e diferenciado (incluiu o reforço escolar, que não existia no município), o que mereceu uma homenagem da FEBEM, órgão estadual, incluindo-o como uma das 10 personalidades do Estado de Minas que mais trabalharam em prol das crianças. 

Tenho certeza que toda essa dedicação pela área educacional foi pelo fato de que ele e minha saudosa mãe, Helena Gonçalves, eram professores, daí essa sensibilidade especial para a educação. 

Uma vez, meu pai disse: 'a educação é a base de todo desenvolvimento, seja social ou econômico, pois uma pessoa que tem uma boa formação, cuida mais da saúde, consegue melhores empregos e automaticamente, melhora a qualidade de vida”. 

Vale lembrar que várias escolas de João Monlevade funcionam até hoje em prédios construídos nas duas gestões de Antônio Gonçalves, inclusive o Centro Educacional e Geraldo Parreiras, citadas neste texto. E, para finalizar, uma coincidência: as universidades que temos hoje em Monlevade, Ufop, Uemg e Doctum, também funcionam em prédios construídos por Antônio Gonçalves, cinquenta anos atrás. Pai, muito obrigado pelo que fez por nossa família e por Monlevade!


(*) Clésio Gonçalves foi vereador, presidente da Câmara e é filho do ex-prefeito Antônio Gonçalves