Desde 1984
Coxia
04 de Dezembro de 2020
Coxia 2611

Triste fim

A prefeita Simone Carvalho (PTB) ainda não deu uma palavra aos monlevadenses após a derrota nas urnas. Quem falou por ela foram assessores. A prefeita precisa se lembrar que está no cargo até dia 31 de dezembro e pediu votos para continuar nele até 2024. É preciso saber perder.

Ausência

Desde o dia 15 de novembro, quando perdeu as eleições, Simone esteve na Prefeitura não mais que três vezes. Duas, na semana após a derrota e na segunda-feira (30), quando a Comunicação oficial soltou release informando que a chefe do Executivo se reuniu com secretários. Parece extraordinário: informar a imprensa que a prefeita fez reunião em sua sala. Mas como isso foi raro em seu governo, foi digno de nota. 

Distante

Assim como o antecessor, Teófilo Torres (PSDB) que pouco ia à sede do governo, Simone também fez o mesmo. Os dois prefeitos quase nunca despachavam em seu gabinete e recebiam quem queria conversar apenas com horário marcado e assunto previamente definido. Talvez por isso o grupo Moreira/ Torres recebeu a resposta das urnas neste ano.

Deputados

A região ganhou mais um deputado com a ida do itabirano Bernardo Mucida à Assembleia de Minas. Ele recebeu quase 35 mil votos em 2018 e ficou na suplência de Marília Campos, prefeita eleita de Contagem, que deixa o cargo de deputada para assumir a Prefeitura. Mucida é jovem e vai representar o Médio Piracicaba ao lado de Tito Torres (PSDB). Ganha a região.

Presidência 

Circula nos bastidores que a disputa para a presidência da Câmara de Monlevade segue acirrada. Vereadores reeleitos e novatos estão de olho no cargo mais alto do Legislativo. Belmar Diniz (PT), único do mesmo partido do prefeito eleito, Laércio Ribeiro, é cotado para presidir o Legislativo. Mas, por outro lado, há outros nomes da coligação vitoriosa, como Fernando Linhares (Democratas) e Revetrie Teixeira (MDB), que também estariam pleiteando a presidência. Por outro lado, Leles Pontes (Republicanos), atual presidente, também é cotado para continuar. É esperar as articulações para ver como o cenário será desenhado.

Celeuma

Ainda segundo apurado, o recém eleito Fernando Linhares teria o apoio do casal Dorinha e Machadão para assumir o cargo. O casal estaria usando de sua influência para isso, o que estaria deixando o petista Belmar com a pulga atrás da orelha e não gostando nem um pouco da situação. 

Férias

Derrotado nas urnas, Sinval Dias deixa a Câmara após 24 anos consecutivos, mas não dá o braço a torcer. Ele disse que ficará quatro anos de férias e que retorna na próxima eleição. Segundo ele, ainda mais forte e atuante. É o Sinval de sempre...

Secretários

Ainda nenhum nome do futuro secretariado foi anunciado, mas as especulações seguem fortes extraoficialmente. Especula-se que o vereador Gentil Bicalho (PT), que não conseguiu ser reeleito, possa assumir a Secretaria de Esportes, cargo já ocupado por ele. Nádia Guimarães, também derrotada a vereadora, pode voltar para a pasta de Assistência Social, cargo já ocupado por ela também. 

Outros nomes

A Procuradoria Jurídica pode chegar às mãos do ex-vereador e ex-procurador, Cristiano Vasconcelos Araújo. É forte também o nome de Nadja Lírio (Duca) para assumir a Fundação Casa de Cultura. Os dois integram a comissão de transição. Outros nomes também rolam por baixo dos panos, como o de Geraldo Giovani (Gabinete ou Governo), Amélia Barbosa (Saúde), Geraldo Magela Gonçalves (Comunicação ou Meio Ambiente). 

Ainda mais

O vice-prefeito eleito, Fabrício Lopes, pode voltar ao cargo de secretário de Obras, função que também já foi ocupada pelo veterano Eduardo Bastos, outro nome ventilado para ocupar a pasta. Também é especulado o nome do Geraldo do Amaral, ex-chefe do DAE na primeira administração do petista, para retornar ao cargo. 

Fim do mês

Questionado, Laércio Ribeiro disse que vai anunciar o secretariado no fim do mês. Ele disse ser normal a especulação de alguns nomes neste período. Enquanto isso, a equipe de transição está focada na implantação do plano emergencial dos 120 primeiros dias de governo e analisando documentos. 

Chuvas

Outra preocupação do prefeito eleito é em relação ao período chuvoso. A comissão de transição se reuniu com a Defesa Civil nesta semana para tratar da questão de enchentes, deslizamentos e para tratar de ações em casos de desastres. Não custa lembrar que Laércio enfrentou grandes problemas com as chuvas em janeiro de 1997 quando assumiu a cidade em seu primeiro mandato.