Desde 1984

09 de Outubro de 2020
Aulas online x volta às aulas presenciais
Desde março, quando iniciou a pandemia do Coronavírus, nem o mais pessimista dos seres humanos imaginou que ela durasse tanto. A interrupção das aulas presenciais pegou a todos de surpresa, nem pais, educadores e alunos imaginavam tamanha mudança em suas vidas. Todos pensavam que essa interrupção seria momentânea.

Lá se vão quase oito meses de dúvidas, incertezas e alguns avanços na educação de nossos alunos. Todos nós sabemos que a educação, conforme a Constituição, é um direito do aluno e dever de pais e do Estado.

Nos dias atuais, manter um filho na escola, além de promover o aprendizado, faz deste cidadão um sujeito crítico, autônomo e traz tranquilidade a grande maioria das famílias. A pandemia levou pais e mães a uma reflexão e mudança de comportamento a muito inexistente nos lares.

Toda família, no Brasil e no mundo, passou a conviver no mesmo ambiente, por um longo período de tempo. As crianças começaram a se sentir ociosas, aprisionadas em casa e a escola começou realmente a fazer falta em suas vidas.

Em meio a tudo isso, muitos pais, ou perderam o emprego ou começaram trabalhar de casa. Alguns precisaram se reinventar para trazer o sustento pra casa. A escola, além de ser um espaço legítimo de aprendizagem, promove a segurança da criança quanto a alimentação e muitas vezes a protege de maus tratos e violência em seu ambiente familiar.

Então, começou-se uma crise familiar e econômica, nunca vista antes no Brasil. E, no meio do caminho, pais e mães se viram envolvidos no processo de aulas on-line, com condições precárias de equipamentos eletrônicos (celulares e computadores) e pouca didática e conhecimento pra ensinar os filhos.

Mas não é por acaso que o brasileiro se destaca pela sua resiliência e capacidade de superação de seus problemas. Muitos então deram o melhor de si, junto aos profissionais da escola, pra manter os filhos aprendendo da melhor maneira possível.

E nessa caminhada, muitos educadores se destacaram, como o professor de educação física, Ademir Silva, da Escola Estadual Rumia Maluf. Desde o início da pandemia, o professor tem utilizado aplicativos com jogos, brincadeiras, esportes livres, propiciando a interação de crianças e familiares. Suas aulas são tão dinâmicas e interativas que os alunos se sentem na quadra da escola.

Para abranger mais pais e alunos da comunidade, o professor criou um canal no YouTube, 'tio Ademir Silva”, com todas as atividades e jogos que desenvolve na escola. Enfim, como outros profissionais da educação, o professor tem desenvolvido seu trabalho com louvor.

Temos total consciência que aulas remotas, on-line, não substituem as aulas presenciais. O atendimento presencial e sistemático ao aluno requer contato humano e constante.

O desejo de retornar as aulas presenciais é real por parte de pais e educadores. Todos queremos voltar a essa antiga realidade, mesmo que seja devagar e aos poucos. Mas não podemos desdenhar ou minimizar os efeitos dessa pandemia tão avassaladora que nos persegue até hoje.

Desejamos voltar, mas com escolas bem equipadas, ambientes limpos e adaptados. Gostaríamos de receber os alunos com todo amor, dedicação e toda precaução possível. Pois reconhecemos a importância dessa instituição na vida de nossos estudantes e emocionalmente precisaremos estar preparados pra deixar aos poucos essa pandemia fazer parte de um passado não mais desejado.

(*) Maria Eugênia Freitas é coordenadora pedagógica da Escola Estadual Rúmia Maluf