Desde 1984
Coxia
11 de Setembro de 2020
Coxia 2599

Andréa

Apesar de o grupo governista jurar de pés juntos que Simone Carvalho (PTB) é candidata a continuar na Prefeitura, nos bastidores, ainda apostam que quem vai encabeçar a chapa é Andréa Peixoto (PTB). Há quem diga que a ex-secretária de Saúde tem quarenta cabos eleitorais a seu serviço dentro da Prefeitura. Por outro lado, fontes indicam que a atual prefeita já começou a produzir o seu material de campanha. Veremos amanhã (12), quando as siglas ligadas ao grupo fazem suas convenções. 


Grupo

Comandado pelas mãos de ferro do ex-prefeito Carlos Moreira, o grupo da situação sabe que a rejeição de Simone é alta, podendo passar dos 50%. Por outro lado, a nomeação de Andréa coloca em risco o pacto com Conceição, que já tentou ser prefeita por três vezes e nunca escondeu a vontade de ocupar a cadeira que hoje pertence a Simone, mesmo tendo que esperar mais quatro anos. Como será que fica essa costura?


De olho

Quem declara abertamente não apoiar uma chapa encabeçada por Peixoto é o vereador Djalma Bastos (PSD). Ele diz que, caso ela seja a candidata do grupo, ele e seu partido rompem e lançam chapa própria e independente, bastando apenas o aval da diretiva estadual. Difícil será, aos vinte minutos do segundo tempo da prorrogação, encontrar um vice e apoiadores sólidos. Nos bastidores, circula a informação de que, à exceção de Djalma e seu irmão, todos os pré-candidatos a vereador do PSD são ligados a Moreira, que não hesitaria em esvaziar o grupo dos Bastos. Será?


Mestres

Mauri e Moreira são fortes articuladores e estrategistas políticos. E ainda há rumores de que os dois estão adorando a quantidade de pré-candidatos a prefeito. Inclusive, eles teriam articulado e trabalhado em várias esferas para que isso acontecesse. Com medo da rejeição do governo Simone, essa estratégia da divisão da oposição cairia como uma luva nos planos do grupo continuar no poder.


De Brasília

O marqueteiro e cientista político Gleber Naime é quem dá o tom à chapa de Láercio Ribeiro (PT) e Fabrício Lopes (Avante). Inclusive, o goiano que já foi vereador e secretário em Monlevade, orienta Fabrício e a militância. Além do trabalho na comunicação nacional do PT, Gleber está de olho na Prefeitura de Monlevade. 


Revoltos

Muitos pré-candidatos a vereadores que são antipetistas juramentados, afirmam que não vão votar no PT, apesar das coligações confirmarem a união das chapas amanhã, durante as convenções. Uns afirmam que nem por nada pedem voto para a chapa de prefeito.


Praça do Povo

Dois anos depois de anunciada, a Praça do Povo começa a ser reformada. O governo Simone não fala que os recursos foram encaminhados pelo ex-deputado Nozinho (PDT), junto ao deputado federal Mario Heringer (mesmo partido). É feio não reconhecer quem ajuda.


Vice

Falando em Nozinho, ele deve oficializar chapa com o jovem Leo Amora, amanhã, em São Gonçalo do Rio Abaixo. Leo é neto de Nonô Amora, comerciante que por décadas manteve supermercado em Monlevade. Hoje, o jovem mantém supermercado na cidade vizinha e tem boas relações na Associação Comercial e vem para somar com a experiência do ex-prefeito e ex-deputado. 

 

Lembranças I

Na sessão desta quarta-feira (9), comentando sobre o aumento dos preços de alimentos, o vereador Gentil Bicalho (PT) recordou a criação da Defesa do Consumidor, em 1984. Posteriormente, o vereador falou que, em 1986, todos se tornaram “fiscais do Sarney” para fazer cumprir as medidas do Plano Cruzado, que decretou o tabelamento de preços e provocou um amplo desabastecimento, além de acelerar a inflação. Lembranças um pouco mórbidas, não?


Lembranças II

Por sua vez, o vereador Toninho Eletricista (PTB) recordou que, em 1990, fazia parte do Conselho Municipal de Transportes (CMT) que substituiu a Transcomol, então prestadora do transporte público em João Monlevade. Ele disse que, se o serviço de ônibus continuar ruim, “terá coragem de substituir a Enscon”. O contrato da empresa vencerá em 2022, então, se for reeleito, o vereador terá a oportunidade de cobrar melhores resultados.