Desde 1984
() Gabriela Gomes
24 de Julho de 2020
Papel de Mulher

O papel mais difícil nesta pandemia, certamente, é o de ser mulher. Os homens que me perdoem, mas ser mulher nesses tempos de isolamento traz um peso maior do que o peso que já existia. A mulher que também é mãe, dona de casa, esposa e ainda trabalha fora tem que se equilibrar para dar conta de tudo. Agora ela também é professora, confidente, cozinheira, higienizadora oficial da casa, e acumula muitas outras funções.

A pandemia potencializou as diferenças de responsabilidades dentro de um lar e mostrou o quanto maior (e mais difícil) é a carga das mulheres diante à família. Expôs a fragilidade das relações pessoais e familiares, escancarou os desafios que passavam despercebidos na correria do dia a dia e abiu as portas para as deficiências e carências individuais.

No centro de tudo isso, estão as mulheres, domando furacões e se reinventando em meio ao caos. Para as mulheres que trabalham fora e tem que sair de casa todos os dias, os problemas não são menores. Além de se preocuparem com o risco de pegar ou transmitir o vírus para a família, elas ainda tem que acompanhar as aulas online dos filhos, e fazer a casa toda funcionar regularmente. Além disso, não pode perder o desempenho profissional, precisa ser criativa e competente. 

Para as mulheres que trabalham em casa, o dia a dia exige intenso malabarismo. Começa com o preparo do café da manhã, depois precisa acompanhar os filhos durante os deveres online da escola, além de preparar o almoço atendendo às ligações dos clientes, ser gentil e paciente frente às reclamações e birras dos pequenos, arrumar mil lanches durante todo o dia, estar apresentável para a reunião online da empresa, bater metas e buscar renda em tempos tão desafiadores. Enfim, mil e uma coisas durante apenas um dia. Não é para qualquer um, mas essa é a realidade de muitas. 

O papel da mulher sempre foi essencial, e agora é mais do que nunca. Apesar disso, as mulheres ainda são as principais vítimas de violência doméstica e o isolamento social aumentou ainda mais essa triste estatística. Você já se perguntou o porquê de tanta campanha com esse tema? Porque isso está mais perto de você do que você imagina. A vulnerabilidade das mulheres e a impotência física as torna alvos fáceis para os homens covardes e desumanos. 

Papel de mãe, de esposa, de profissional, papel de mulher. Aquela que acorda todos os dias buscando o melhor para sua família, que não quer ver a despensa vazia, que lava, passa e cozinha desde que o mundo é mundo, que corre atrás, que enfrenta leões, que luta em meio as diversidades, que encara tempestades. Papel de mulher, que entre a bravura e a doçura, é o coração da família.


(*) Gabriela Gomes é publicitária