Desde 1984
() Luciana Carvalho
26 de Junho de 2020
Habemos boas notícias econômicas!
Vivemos dias difíceis, de notícias desanimadoras, estressantes e o negativismo tem imperado. Como nos últimos dias saíram dados importantes da economia brasileira, decidi ir atrás e saber se deveríamos nos preparar para o pior, ou se ainda haveria remédio... Para minha surpresa, porque até então minhas expectativas não eram as melhores, os números e o que vi são bem melhores do que o que todos nós escutamos até agora. Muitos podem pensar: você está fazendo o jogo do contente? Não, queridos, não estou fazendo! O assunto aqui não é tentar achar algo positivo em uma situação efetivamente negativa. E os fatos e números falam por si, assim como as ações dos agentes econômicos e do mercado também. Meu pensamento positivo e minha vontade de que o governo federal faça um bom trabalho não influenciam os mercados, o Morgan Stanley e, muito menos, os dólares em investimentos diretos.

Mas, vamos às boas notícias e vocês tirem as suas conclusões: O número de empresas abertas no primeiro quadrimestre de 2020 é maior que o número de empresas fechadas. Abertas: 1.038.030. Fechadas: 351.181 Saldo: +685.849. Em Minas Gerais: Abertas: 115.261. Fechadas: 44.449. Saldo: +70.812. Em maio de 2020 foram abertas: 202 mil. (Fonte: Mapa de Empresas – Boletim 1° quadrimestre 2020. Publicação: 19/06/2020).

A edição de 2020 do Global Index coloca o país entre os mais atrativos para investimento direto. Importante lembrar que, em 2017, ficamos em 29° lugar (esta publicação apresenta os 25 melhores). Em 2018, ficamos em último lugar, na 25ª posição. Em 2019, não constamos na lista. Em 2020, nossa colocação é a 22ª. A percepção dos mercados é que a economia brasileira está mais confiável e bem gerida. E isto é ótimo!!! O índice de confiança do investimento direto (IE) da Kearney é uma pesquisa anual feita com executivos das 500 maiores empresas do mundo. O Brasil é a única nação da América Latina a compor a lista. Fonte: Consultoria Norte Americana A.T. Kearney.

O último relatório In Focus do Banco Central (de: 22/06/2020) apresenta a taxa de câmbio com tendência de alta no curto prazo e estável em 2021. Já a inflação apresenta tendência de queda no curto prazo. Vamos lá: inflação para baixo e dólar para cima é defesa ou não defesa da moeda?

Dólar alto é ótimo para o Brasil! Exportamos mais e ganhamos mais. Gradualmente se substituem importações por produtos nacionais e se internalizam empresas que hoje exportam para nós. (ninguém irá mais fazer enxoval de bebê em Miami!) Quem fica por aí achando ruim? Quem quer ir para Disney... Resumo: Favorece o mercado interno! Sigamos em frente!

Minério de ferro há 7 semanas com ganho. A China segue com forte demanda. Vendas de novas moradias nos EUA se recuperam em maio com salto de 16%. A Morgan Stanley (multinacional americana de banco de investimento e serviços financeiros que opera em 42 países) estima a Bovespa em 110 mil pontos para junho de 2021. Os juros baixos estão atraindo capital. Saímos do rentismo e estamos na Economia Real. Dados do varejo brasileiro indicam abril como pior mês da crise. Outros indicadores já apontam para uma melhora até mais rápida que muitos esperam. Mais de 2 bilhões de dólares de entrada de dinheiro estrangeiro devem chegar ao país neste mês de junho. (Fonte: Bovespa).

O tempo para abertura de empresa no Brasil caiu de 5 dias e 9 horas em janeiro de 2019 para três dias e 21 horas em abril de 2020. Isso é menos burocracia!

E aí, mais animados?

(*) Luciana Carvalho é monlevadense e economista