Desde 1984
Delci Couto
08 de Maio de 2020
PLURALIDADES – II
REENGENHARIA

Surgida no início da década de noventa, é um método usado para reprojetar e reformar sistematicamente toda uma organização, promovendo o redesenho de seus processos, a reengenharia com o objetivo de obter melhorias acentuadas nas áreas de custos, de serviços e de tempo. Busca a fusão de tarefas, a eliminação do desnecessário, uma maior autonomia no corpo funcional e a descentralização na tomada de decisões. Se, por um lado, este vento reformista trouxe ganhos extraordinários de melhorias de gestão nas organizações da iniciativa privada, por outro lado, as estruturas administrativas do setor público permaneceram intactas às mudanças, dentre elas, a da nossa Monlevade.

SECRETARIAS DE OBRAS, DE SERVIÇOS URBANOS E DAE



A Secretaria de Obras já cumpriu a sua função na pirâmide do organograma da Administração Municipal. Naquela época, a relação de funcionários do município era composta também por profissionais qualificados do setor da construção civil e várias obras municipais foram edificadas com a utilização de mão-de-obra própria e não de terceirizados, escolhidos em processos licitatórios como ocorre atualmente. Perdeu espaço e importância nos dias atuais e seu campo de atuação se confunde e se aglomera praticamente no mesmo espaço ocupado pela Secretaria de Serviços Urbanos.

No primeiro mandato do ex-prefeito Carlos Moreira, um único secretário comandou as duas pastas, voltando-se posteriormente ao formato anterior, meramente por decisão política de acomodação de apadrinhados.

Na autarquia municipal do Departamento de Águas e de Esgotos – DAE – comumente o que se nota é a desunião e “tentativa de puxada de tapete” reinante entre diretor e adjunto. Por outro lado, há um descompasso de realização e de informação, existente entre os reparos nas redes, efetuados pelo DAE e a posterior obra civil de conserto da rua, de responsabilidade da Secretaria de Obras, gerando transtorno com o atraso na execução desta obra.

Secretaria Municipal da Infraestrutura

Com esta proposta técnica de novo formato da máquina pública, estas secretarias e o DAE seriam aglutinados na Secretaria de Infraestrutura, e o Estatuto/Lei de criação do DAE seria adaptado a esta nova realidade. Sob o comando de único gestor, auxiliado por chefia de Divisão de Obras, do DAE, dentre outras até então já existentes. Neste novo formato, o número de Secretarias e afins seria reduzido dos atuais 18 para 16 e o número de adjuntos de 3 para apenas 1, gerando relativa redução de seu custo, além do benefício proporcionado à coletividade de se dirigir a um único gestor, visando a solução do seu problema no tocante às questões inerentes ao DAE, obras públicas e serviços urbanos.

(*) Delci Couto um livre pensador – Contador, Perito, Auditor e Consultor Empresarial