Desde 1984
Marcelo Melo
28 de Fevereiro de 2020
O Trânsito nosso de cada dia
Um prazer retornar às páginas do jornal “A Notícia”, onde iniciei minha carreira, em novembro de 1984. Pode parecer piegas sempre retornar ao Gênesis de minha profissão, mas mister se faz necessário, porque a gratidão é um prato que não se cospe. Por isto, obrigado ao fundador deste semanário, o amigo jornalista Márcio Passos, pelo convite.

E, apesar de estar nas redes sociais diariamente, postando sobre isto ou aquilo, pensei muito antes de optar por um assunto, que poderia ser sobre a demissão da assessora da ACIMON, ou sobre este caótico trânsito que tem infernizado o cotidiano dos motoristas de João Monlevade e aqueles que trafegam pelo nosso centro comercial. Optei pela segunda alternativa, afinal, a soberba de alguns dirigentes do Settran é algo que tem ferido os comerciantes, lojistas e os clientes em geral.

Sabe-se que foi criado um Grupo no WhatsApp, denominado “Mudança no Trânsito, cujo mentor é o comerciante Ulete Lúcio Mota” (“Letinho”), do qual faço parte e sou um dos administradores. Atualmente, são 69 membros, de diversas setores profissionais e muitos formadores de opinião. O Grupo tinha como principal objetivo fazer com que o Poder Executivo, através do Settran, voltasse o trânsito como era antes, principalmente com o retorno pela Praça do Lindinho, desafogando assim o tráfego de veículos na avenida Getúlio Vargas. Houve inclusive uma reunião entre as partes e foi dado o prazo de um mês – vencido no último dia 21 de fevereiro - para que as mudanças fossem feitas, mas o Settran, com aval da Chefe do Executivo, negou o pedido e o caos continua, o que deixou indignado e revoltou ainda mais comerciantes e outros profissionais que são obrigados a enfrentar o nosso trânsito de cada dia. E tais reações podem ser observadas nas postagens dos membros do Grupo.

Desde que se iniciou a ideia do Projeto sobre o “Novo Centro”, todos nós, motoristas ou pedestres, pessoas comuns, pensávamos que viria para melhorar o “Trânsito nosso de cada Dia”, que já era um caos. Obviamente que não é privilégio de nossa cidade, porque há carros por demais transitando e as ruas e avenidas já são estreitas para os padrões de hoje, graças à falta de planejamento durante a implantação do “Plano-Diretor” do município. Mas, a mudança que se fazia necessária era para, ao menos, minimizar o problema, e não para piorar ainda mais o que já era caótico. No entanto, a falta de humildade dos gestores do Settran não foi capaz de fazer com que voltassem atrás do erro absurdo que cometeram – principalmente ao retirarem a rotatória da Praça do Lindinho -, já que o desvio pela rua Geraldo Miranda desafogava o trânsito, que hoje é todo jogado para a avenida Getúlio Vargas, a partir da rua Pedro Bicalho, ou para a avenida Gentil Bicalho, em direção ao Hiper Comercial Monlevade. Não houve qualquer planejamento ou um estudo viável antes de se executar o projeto, tanto que, para completar o desacerto e desacelerar ainda mais o tráfego, instalaram outro semáforo no cruzamento da Wilson Alvarenga com a rua Geraldo Antônio, que leva nada a lugar algum. E assim pagamos o preço pela ineficiência de alguns.

Todos têm o direito de errar, mas aceitar o erro e voltar atrás não é demérito para ninguém. Aliás, é uma grande virtude aceita-lo, repará-lo e dar a volta por cima e seguir em frente!

Marcelo Melo é jornalista e editor do jornal Morro do Geo