Desde 1984
Erivelton Braz
14 de Fevereiro de 2020
Do que você gostaria de ser lembrado


O que você gostaria de ver escrito em sua lápide? Essa é uma frase dura e que nos leva a uma reflexão: um dia estaremos mortos. E o que ficará em nossa lápide, talvez seja uma forma de nos mantermos vivos, de ainda dizer algo após termos partido. E é aí que cabe o título da coluna: do que você gostaria de ser lembrado?

Quando focamos a pergunta em empresas e marcas, muitas vezes, o empresário não sabe responder. Estranho? Não. Isso é mais comum do que se imagina. Isso ocorre não é porque o dono do negócio não conhece a sua criação. Mas porque falta a ele, habilidade para dizer a missão e aquilo que move a empresa de fato.

Há uma história sobre o dia em que o ex-presidente Kennedy visitou a base da Nasa antes de uma missão espacial. Ele perguntou a um homem que limpava o chão: o que você faz aqui? E, prontamente, o faxineiro respondeu: Estou ajudando o homem a ir à Lua, senhor.

O envolvimento, a paixão pelo negócio e o desejo de fazer história são algumas das ações que tornam uma marca ou uma empresa inesquecíveis. O homem foi à Lua e mais de meio século depois, ainda o episódio na Nasa é lembrado como representação da paixão pelo o que se faz.

Quando se fala em marketing, ações de vendas ou mesmo posicionamento da marca é necessário saber quais os valores a empresa possui e pelo quê ela quer ser lembrada pelos seus consumidores. Ás vezes, o foco da ação não está no produto, mas na história que existe por trás. Ás vezes, falar de temas paralelos funciona mais do que propagar o produto em si. É preciso destacar valores e esses são inescapáveis. Portanto, vale muito focar em algo que, muitas vezes, mesmo não sendo o principal, chama muito mais a atenção. E você, a sua empresa ou o seu negócio, devem ter muito o que dizer. Pelo quê gostariam de ser lembrados? O que você gostaria de ver escrito em sua lápide?

<strong>Erivelton Braz é editor do A Notícia e Fundador da Rotha Assessoria em Comunicação</strong>