Desde 1984
Duca Furtado
19 de Julho de 2019
A criança perdida e o fazer arte
O ofício do artista é, como qualquer ofício, uma luta diária pela auto-superação, um desafio laborioso de encontrar meio de sobreviver e existir no mundo. Talvez o que diferencie o criar e fazer arte das outras profissões é que, tristemente, a produção artística é muitas vezes considerada dispensável para o bom funcionamento da sociedade. Depois de tantas fases de adoecimento da humanidade, ainda nos esquecemos que a fruição, a reflexão e a expressão são tão essenciais quanto o alimento e o abrigo, pois sem elas o ser humano perde sua característica distintiva fundamental: a significação, o sonho, a imaginação e, consequentes a esses, a capacidade de sentir empatia, sublimar e projetar um mundo realmente melhor. Gente é bicho que simboliza e inventa, que cria novos significados. Sem a arte, somos menos gente.
Desde menina, a arte foi meu esteio. Cantei, contei histórias, dancei, desenhei, escrevi... toda criança é naturalmente artista, não é à toa que sempre dizem que criança vive “fazendo arte”. Mas enquanto muitos vão abandonando essa vocação natural ao passar dos anos, eu fui mergulhando mais fundo nesses movimentos. Sempre que tentei ser "gente grande", adoeci. O jeito que encontrei de ser adulta e criança foi esse meio de caminho, essa corda bamba em que vou andando vagarinho, tentando alcançar com a música propósitos reais, na minha comunidade, no meu celeiro.
A minha maior ambição é criar momentos de alegria em que as pessoas possam recuperar aquela emoção infantil que a vida foi tolhendo ao longo dos anos. Quero fazer alianças com outros artistas e propor espaços em que um bocadinho de gente use dessa emoção para se imaginar novas realidades, questionar o suposto estado fixo das coisas.
Acho que foi essa tal emoção e a vontade de compartilhar e aprender que motivou nosso som (meu e do Dan). Acabamos de produzir nosso primeiro single e clipe, Canário Canta, e sei que sem essa motivação eu não teria conseguido porque, acreditem em mim, é muito difícil fazer música autoral independente. É também a mesma centelha que animou nosso ensejo no "Amigos do Samba" e "No Olho da Rua", projetos culturais que criamos na Região dos Lagos (RJ) e em João Monlevade, respectivamente.
Escrevi esse texto a convite do amigo Márcio Passos que como outros vem apoiando o nosso trabalho. Comecei meio sem saber onde queria chegar, mas ao passo que escrevia, me dei conta de que estamos sempre em busca de novos parceiros nesta empreitada. Continuaremos produzindo eventos, compondo músicas, criando projetos culturais. Precisamos criar e compartilhar e,obviamente, precisamos de apoio logístico e patrocínio.
Se você que está lendo quiser fazer música com a gente ou se interessar em apoiar nossos projetos, fique à vontade para nos procurar. Estamos super abertos a parcerias e propostas. Vai ser um prazer ter novos amigos nessa corda bamba da produção cultural. Simbora fazer arte?

() Duca Furtado é cantor e compositora
Instagram:@ducafurtadooficial @daneducaoficial Canal mo Youtube: Dan & Duca