Coxia
27 de abril de 2018

Coxia 2396

Presente I

O presente de maior destaque dado pela Prefeitura à cidade de João Monlevade, que faz aniversário neste domingo (29), é o debatido e criticado "Ônibus da Saúde", que para o Conselho Municipal de Saúde e vereadores, alguns da Comissão de Saúde da Câmara, não tem a mínima condição de funcionar e não passa de uma "sucata" adaptada.

Presente II

Em vistoria realizada, vários problemas foram apontados, entre eles, falta de acessibilidade, sujeira, mal cheiro de urina e acúmulo de fezes de ratos, pneus carecas e outros. Mesmo assim, o veículo teve a liberação expedida pela Vigilância em Saúde (Visa) e, portanto, vai funcionar e realizar atendimentos médicos e odontológicos pela cidade. A pergunta que fica é: A cidade merece esse presente?

Fogo

O incêndio na loja Eproin Comércio Ltda, ocorrido na madrugada do último domingo (22), no bairro Baú, levantou novamente o debate sobre a importância de se implantar um Corpo de Bombeiros em João Monlevade. O assunto já rendeu reuniões, discussões e até audiência pública na Câmara Municipal. O tema é sério e, ao que parece, sempre que houver um ocorrido semelhante, o assunto virá à tona. Nada de fogo de palha.

Viagem

Os vereadores Toninho Eletricista (PHS), Leles Pontes (PRB), Fábio da Prohetel (PP) e Cláudio Cebolinha (PTB) estiveram essa semana em um evento em Brasília e o assunto gerou polêmica nas redes sociais, principalmente, após postagens de vídeos e fotos dos edis com o polêmico pré-candidato a presidente da República e deputado federal Jair Bolsonaro.

Conta

Num país democrático, as pessoas tiram fotos e gravam vídeos com quem quiserem, assim como declaram seu apoio político e voto a qualquer candidato. O que levantou questionamentos foi sobre quem pagou a conta dessa viagem dos parlamentares em dias úteis de trabalho na cidade: eles ou o povo?

Utilidade

Outro questionamento que fica é sobre qual utilidade para João Monlevade teve essa viagem e qual dos vereadores irá apresentar o projeto de maior relevância para o município, baseado nessa ida à capital federal. É hora de acordar, pois o povo não é bobo.

Expediente

Após convocação do provedor do Hospital Margarida, José Roberto Fernandes, mais de 150 funcionários do Hospital Margarida e comissionados da Prefeitura lotaram as dependências da Câmara Municipal de João Monlevade na tarde de ontem (26), para fazer com que o Conselho Municipal de Saúde não realizasse eleições internas de sua direção e colocasse em sua presidência a conselheira Jalva Ribeiro. O interessante é que a manifestação ocorreu entre 14h e 16h, bem no horário do expediente. E a população, que precisa dos serviços prestados pela casa de saúde e pela Prefeitura, como ficou? É a pergunta que não quer calar.