Editorial
27 de abril de 2018

Uma "sucata" de presente

Pelo visto, a Prefeitura de João Monlevade não voltará atrás e irá insistir em presentear a cidade com o polêmico e debatido "Ônibus da Saúde", que será inaugurado no próximo domingo (29), aniversário do município, no bairro Novo Cruzeiro, apesar de ser classificado por entidades ligadas ao setor de saúde como uma "sucata".
O Conselho Municipal de Saúde e alguns vereadores, entre eles, membros da Comissão de Saúde da Câmara, após vistoria realizada na última terça-feira (24), alegam que não há a mínima condição do veículo ser disponibilizado para prestar serviços médicos e odontológicos à população. São vários os problemas, como falta de acessibilidade, sujeira, precariedade, mal cheiro e acúmulo de fezes de ratos, pneus carecas e com fissuras, entre outros. Porém, de acordo com informações do Conselho, o projeto foi liberado pela Vigilância em Saúde (Visa) e, ao que tudo indica, o ônibus estará nas ruas a partir de domingo.
O que intriga e levanta questionamentos é como um veículo adaptado e tão precário irá atender a contento a população de uma cidade que é, inquestionavelmente, polo e referência regional, com mais de 70 bairros e população que ultrapassa os 80 mil habitantes. Sem dúvida, Monlevade merece mais. No mínimo, uma melhor estruturação em seus postos de saúde. Em um pequeno distrito, vilarejo ou comunidade rural, de difícil acesso, talvez o Ônibus da Saúde tivesse mais utilidade e soasse como um alívio paliativo aos moradores, mas não em uma cidade do porte de João Monlevade. Em pleno aniversário de 54 anos, a cidade merecia mais que uma "sucata" de presente.