Ponto e Vírgula
20 de abril de 2018

Mantenha vivo o espírito de Minas

Não alcançamos a liberdade buscando a liberdade, mas sim a verdade. A liberdade não é um fim, mas uma consequência.
Leon Tolstói, escritor russo

Amanhã, 21 de abril, é dia de Tiradentes e dia do maior símbolo de Minas Gerais: a Liberdade. O legado de Joaquim José da Silva Xavier está na bandeira do estado. Ainda que tardia, precisamos buscar a liberdade sempre. E não podemos abaixar a cabeça jamais para as opressões e para tudo aquilo que nos aprisiona, nos limita e nos reprime. A liberdade é o nosso maior patrimônio, mesmo que não nos demos conta disso.
Em tempos críticos como os de hoje, o espírito de Minas nunca se fez tão urgente. Precisamos de uma cidade livre, um estado livre, um país livre. Livre da corrupção, dos arranjos sujos da política, livre das jogadas em defesa de interesses escusos. Precisamos ficar livres dos maus políticos, os que viram as costas para o povo, os que defendem o poder pelo poder acima de tudo. Tiradentes morreu com o desejo de libertar o Brasil de Portugal. E hoje, quem morreria em nome de um país verdadeiramente livre?
Que a liberdade abra suas asas sobre nós. E que possamos caminhar sempre para frente, focados em um amanhã melhor, sem injustiça, sem desigualdade e com as pessoas conscientes de seus papeis na sociedade. Porque ser livre, vai além de não estar atrás das grades. Ser livre é também ter consciência e coragem para não se submeter.
Afinal, ninguém pode viver sob o julgo do outro. Muitas pessoas são aprisionadas pelo pensamento limitante de que, simplesmente, não podem querer ou merecer mais do que têm. Sonhar não custa nada e não é pecado. O pecado maior é resistir aos desígnios do coração, em nome da subserviência e da opinião alheia.
Não podemos nos apequenar, nem viver submissos a ninguém e nem a nada. A vida pede coragem para seguir adiante, para mudar o que tem que ser mudado e para fazer o que precisa ser feito. E só com determinação e honrando o espírito de Minas, conseguiremos cumprir essa missão tão cara, que é nos mantermos livres de todas as amarras.
Não nos esqueçamos de que em poucos meses, teremos a oportunidade de eleger os comandantes do estado, do país, os deputados federais, senadores e os parlamentares da Assembleia de Minas. Mais do que nunca, a liberdade se engrandece com o voto. E ele é o instrumento ideal neste ano em que temos a liberdade sagrada de escolher.
Além disso, Tiradentes foi enforcado e esquartejado porque ousou questionar o poder. É preciso continuar o questionamento sempre: Que cidade, estado ou país, estamos tendo atualmente? Temos, de fato, nossos direitos respeitados? E as condições de vida que temos, são realmente as que merecemos? Estamos satisfeitos com os políticos que deveriam representar e defender nossos interesses? Ser livre é ser responsável. Afinal, a liberdade, para ser plena, exige responsabilidades e muita gente vive presa e submissa porque não quer ter essa contrapartida. É sempre bom lembrar que escolhas implicam renúncias. E é preciso pagar o preço, sempre, em nome da liberdade

() Erivelton Braz é editor do A Notícia e fundador da Rotha Assessoria em Comunicação