Editorial
20 de abril de 2018

Gestão e política

A prefeita Simone Carvalho (PSDB) é mais gestora que política. E isso tem sido refletido em seu mandato até agora. Por um lado, a cidade está com as contas em dia, não tem credores em sua porta e tem mantido a ordem financeira, mesmo diante da falta de repasses do governo do estado. O exemplo de boa gerência é que João Monlevade está entre as poucas cidades mineiras com o caixa fechado e sem déficit. Isso é louvável
No entanto, por outro, tem faltado ao governo a habilidade política necessária para lidar com as questões típicas da administração pública. A prefeita tem tido dor de cabeça por falta de diálogo. Um exemplo foi Simone Carvalho avisar que só poderá receber empresários para conversar sobre o Distrito Industrial após 60 dias. Vale lembrar que eles não querem uma solução imediata. Mas um encontro de classes em busca de ações concretas para gerar emprego e renda e fomentar o desenvolvimento econômico. Será que não há mesmo agenda para tratar do caso?
Outro reflexo da falta de política é a debandada de vereadores da base para uma postura mais independente e crítica. O governo que tinha a maioria nas mãos, foi perdendo espaço e, hoje, não fica ileso das críticas dos vereadores. Falta à prefeita ser mais política e chamar os parlamentares para conversar. Ou então, se ela não se sente segura na seara de articulações, porque não dá esse aval a seu vice, Fabrício Lopes (MDB), ex-vereador e ex-secretário, para melhorar a relação com o Legislativo?
A própria discussão sobre o reajuste dos servidores, que todos os anos traz polêmica, neste ano, pode ser ainda mais complicada, pela indecorosa proposta de não reajustar o Vale Alimentação dos funcionários públicos. O oferecimento de 0% no benefício foge da esfera administrativa e recai sobre a falta de habilidade política. É impossível negociar com quem não oferece nada. Ainda dá tempo de rever essas questões para que João Monlevade seja, de fato, uma cidade melhor para se viver. Gestão e responsabilidade política precisam estar aliadas para o bem de qualquer administração. E população é quem mais ganha com isso.