Ponto e Vírgula
29 de março de 2018

Renovar é preciso

Frase atribuída a Albert Einstein: “Loucura é querer conquistar outros resultados fazendo as mesmas coisas”. Se quisermos ter uma vida diferente, é preciso, primeiramente, que tenhamos atitudes diferentes. Afinal, o mundo não vai mudar por que a gente quer. Mas se tivermos uma nova forma de enxergá-lo, podemos alcançar as transformações que tanto almejamos.
Está na hora de termos mais atitude e mais responsabilidade sobre o que queremos para nós mesmos. Assim, estaremos, a cada dia, sendo criadores de nossa realidade. Afinal, estamos onde estamos porque o nosso esforço, nossa dedicação, nosso comprometimento nos trouxeram até aqui. Claro que há circunstâncias, fatores externos e até forças da natureza que podem mudar a direção de nossas vidas. Mas a vida que levamos hoje é também resultado de nossas escolhas, de nosso empenho e da forma como trilhamos os caminhos.
Meritocracia? “No pain, no gain”? Sorte? Não creio nisso. Aposto em assumir compromissos e responsabilidades consigo mesmo. Vivemos numa sociedade desigual e injusta, é verdade. Uma sociedade em que apenas uma minoria tem acesso à educação, qualidade de vida, saúde, lazer e segurança. Não dá para afirmar que uma criança submetida a todo tipo de violência, sem escola, sem alimentação adequada e sem saúde terá o mesmo ou mais sucesso do que outra criada em condições melhores. Isso existe. Mas são raríssimos os casos. Num mundo desequilibrado desses, é loucura dizer que todos têm a mesma chance. Isso é mentira. Mas o que falo aqui, é que preciso acreditar em mudanças a partir de nossa própria realidade.
Quando vejo um jovem, negro, de periferia, pobre, usando droga, eu penso: “Meu Deus, você já é marginalizado pela etnia, pelo bairro onde mora, pela condição social e ainda vai se drogar? Como você vai sobreviver às estatísticas, como cantam “Os Racionais”, com essa atitude? Se estudando, trabalhando e buscando melhorias a batalha diária já é muito difícil, imagina com o acréscimo de algo desfavorável...”
Vivemos num país racista, em que a cor de pele, pode definir quem vive ou quem morre. Vivemos num país machista, em que a mulher é vista como objeto e que sua condição de mulher, exige cuidados redobrados e resistência contra todo o tipo de assédio e violência. Vivemos num país, que se porta como um “arraial do mundo moderno”, em que são assassinadas 70 mil pessoas por ano, número superior ao da guerra da Síria. É preciso estar atento e forte. Por isso tudo, não podemos mudar nossa origem, nosso começo. Mas é possível escrever a nossa história, de forma que possamos mudar o final.
A escritora belga Marguerite Yourcenar disse que “o verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar inteligente sobre nós mesmos”. Ou seja, as mudanças que esperamos começam quando olhamos para nós e nos transformamos de dentro para fora. Não espere o mundo mudar, ele não vai mudar por você. Não espere que alguém faça por você, o que só você pode fazer por você mesmo. E creia: Deus tem um plano para cada um de nós. Ele não nos fez em vão e muito menos para o sofrimento. Deus nos quer felizes e merecedores de sua Glória. Mas para isso, é preciso buscar a renovação e olharmos primeiro para nós mesmos. Feliz Páscoa

() Erivelton Braz, é editor do A Notícia e fundador da Rotha Assessoria em Comunicação