Editorial
29 de março de 2018

Uma cidade melhor depende de todos

O presidente norte americano John Kennedy, em seu célebre discurso de posse, afirmou: “Não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por seu país”. Trazendo ao momento atual, a frase pode ser perfeitamente parodiada: “Não pergunte o que João Monlevade pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por João Monlevade”. Essa cidade, construída por mãos estrangeiras e também de trabalhadores que vieram de tantas cidades do país, sempre teve o protagonismo em seu DNA. Monlevade, cidade heroica por seu passado revolucionário como pioneira da indústria, precisa resgatar seus ideais empreendedores. O monlevadense precisa acordar, investir, criar, voltar a sonhar e fazer jus à memória de seu fundador, o frances Jean Monlevade, entre tantos outros grandes nomes que edificaram esta terra.
É preciso banir o clima de prostração em que nada acontece de novo. O município, promissor em economia, polo universitário regional, sem falar na excelente produção de aço, tem muito mais a se orgulhar do que se envergonhar em sua história. Está na hora de olharmos para nossas forças, de lançar ideias e de acreditar numa cidade plena e grandiosa. Se não fazem por nós, se a política pequena limita potencialidades, que nós possamos construir por nós mesmos, uma cidade melhor para se viver. Isso depende de todos.
É claro que cabe aos governantes resolverem os problemas que afetam a população, em áreas como a segurança pública, saúde, educação, etc. Porém, se cada um de nós quiser melhorar um pouquinho a cidade em que vivemos, já teremos aí um grande avanço. Basta de pensar que todo o problema é culpa do vizinho. Que ocupemos o nosso lugar na sociedade, buscando juntos fazer de João Monlevade um lugar com mais qualidade de vida, como era em um passado não tão distante.