Você está em Opinião / COXIA /
Coxia
13 de outubro de 2017
Coxia 2343
Exames I
Em reunião do Conselho Municipal de Saúde de João Mon-levade, realizada nesta semana, a coordenação do serviço de Enfermagem municipal explicou detalhes da decisão judicial de esfera federal, feita sob liminar, que proíbe enfermeiros de todo o país de solicitar ou realizar diversos exames em unidades de saúde, ficando esses procedimentos apenas a cargo dos médicos. Entre os exames, estão os preventivos ginecológicos, pré-natal, mamografias, testes rápidos de HIV, HPV, Sífilis e outros.

Exames II
A decisão foi amplamente criticada pelo conselho e por profissionais de saúde, já que há, em todo o país, uma carência muito grande por médicos, principalmente na saúde pública. A questão levantada é se apenas os médicos vão absorver a demanda por esses exames, que é muito grande, e por quanto tempo. A situação, que já é grave, pode piorar com a decisão, classificada pelos profissionais como absurda. Como disse uma conselheira de saúde: “Vamos trocar o laço rosa de outubro pelo laço preto, de luto, pela decisão”.

Mamografias
Para piorar a situação, a membro do Conselho Municipal de Defesa da Mulher (Codem) de João Monlevade, Eliane Araújo, alertou para a demanda reprimida de mais de 800 exames de mamografia a serem realizados na cidade. Isso, em pleno “Outubro Rosa”. O assunto é grave e merece atenção das autoridades.

Demanda
“A demanda de mamografia diminuiu consideravelmente com a vinda do mamógrafo nos meses de abril e maio. Na oportunidade, foram realizadas 1.123 exames. O Ministério da Saúde preconiza a faixa etária de 50 a 69 anos e ressaltamos que todos os pedidos nesta faixa etária estão sendo marcados”, disse a Prefeitura de Monlevade em nota, respondendo a questionário do A Notícia, quando a página da matéria sobre mamografia já havia sido impressa.

Ameaça
A conselheira municipal de saúde, Jalva Ribeiro, chamou a atenção na última reunião da entidade em uma de suas falas ao dizer que tem recebido ameaças veladas de morte, em virtude de suas denúncias em relação à problemas no setor de saúde da cidade. Com seu peculiar jeito severo e franco de se expressar, Jalva afirmou que seus familiares estão cientes da questão e que um dossíê está pronto, caso lhe aconteça algo. Ela também afirmou não ter medo de nada. O caso é sério e de polícia, fugindo da esfera política.

Alvará
Pela primeira vez em anos, a renovação de alvarás para funcionamento do Hospital Margarida ganha muita repercussão. Alexandre Banana da GRS diz que inspecionou o Hospital e liberou o documento . Isso, depois de afirmar que o órgão não tem nada a ver com isso e que a responsabilidade é do município. Por outro lado, a Visa diz que não tem competência para tal função. Resta saber: o hospital está devidamente inspecionado? O problema é de agora ou há muitos anos, a vista grossa dos setores competentes esteve sobre a unidade de saúde?

Linha
O vereador Sinval Jacinto (PSDB) criticou o petista Belmar Diniz dizendo que ele não tem linha ao usar a tribuna da Câmara. Como dizem, o trem tá feio e a coerência há muito já saiu dos trilhos...







LEIA TAMBÉM
 
Publicidade
Publicidade
31 3851-1791
Av. Rodrigues Alves, nº 78, República
João Monlevade/MG
NOTÍCIAS
OPINIÃO
OPINIÃO
SOCIAIS