Você está em Opinião / PONTO E VÍRGULA /
Ponto e Vírgula
15 de setembro de 2017
Curtas & diretas
Erivelton Braz

Sono tranquilo

A prefeita de João Monlevade, Simone Carvalho (PSDB), o vice, Fabrício Lopes (PMDB) e toda a equipe do governo dormem menos preocupados após o parecer favorável do Ministério Público Eleitoral (MPE). O procurador Patrick Salgado sugeriu, nesta semana, a derrubada da sentença que cassou a chapa eleita nas ultimas eleições. Ainda não se trata de sentença final, mas de importante parecer que pode ajudar os desembargadores na hora de decidir o caso. Muitas vezes, eles seguem o voto da Procuradoria. A partir de agora, a decisão pode sair a qualquer momento.

Saia justa

O vice-prefeito Fabrício Lopes (PMDB) integra diretoria regional do partido que espera reorganizar a legenda para as eleições do ano que vem. Foi ventilada a possibilidade do vereador polêmico, Pastor Carlinhos, disputar uma vaga pelo partido no próximo pleito. Porém, se isso acontecer, como ficará a situação de Dorinha Machado e Fabrício Lopes, que integram o governo tucano, cujo candidato na cidade, é o herdeiro político de Mauri, o já deputado estadual Tito Torres (PSDB)? Saia justa...

Medicina

Falando em Tito, o parlamentar reforçou o coro para a liberação do curso de Medicina em João Monlevade, em reunião em Brasília nesta semana, ao lado dos tucanos, senador Antônio Anastasia e do deputado federal Rodrigo de Castro. Interessante relembrar que, anos atrás, os pais dos dois deputados Mauri Torres e Danilo de Castro, também lutaram juntos para trazer a Ufop e a Uemg para Monlevade. Apesar dos esforços, não deverá ser fácil liberar o curso para a cidade. Isso, por conta da instabilidade do governo Temer e das questões políticas e econômicas atuais. Mas como monlevadense, não dá para ficar contra a vinda de mais um curso superior para a cidade.

Nozinho e Tito

Já escrevi aqui e repito: a região tem dois bons nomes na Assembleia Legislativa. Nozinho (PDT) e Tito Torres defendem os interesses regionais e, eleições à parte, quando cada um sai em busca de seus eleitores, eles não são rivais e, muito menos inimigos. Inclusive, dividem bancadas em comissões. É uma bobagem sem fim, criar celeumas entre as duas maiores lideranças políticas da região. Com os dois parlamentares, o Médio Piracicaba só tem a ganhar.

Mais recursos

O município de João Monlevade pode receber R$720 mil a mais por ano em seus cofres públicos. Os benefícios vêm da reforma do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). A partir dela, a cobrança do imposto será feita no município onde cartões de crédito e débito, operações de leasing e de planos de saúde forem utilizados, e não mais onde está a sede do estabelecimento que presta esses serviços. A secretária municipal de Fazenda, Luciana Carvalho informa que envia projeto para a Câmara, no mais tardar, até o início da próxima semana. Isso, porque as cidades que quiserem contar com os recursos do tributo têm que alterar a legislação municipal até 3 de outubro próximo, para que a nova regra já possa valer a partir de 2018. Boa notícia em tempos de crise.

Erivelton Braz é editor do A Notícia e fundador da Rotha Assessoria em Comunicação
LEIA TAMBÉM
 
Publicidade
Publicidade
31 3851-1791
Av. Rodrigues Alves, nº 78, República
João Monlevade/MG
NOTÍCIAS
OPINIÃO
OPINIÃO
SOCIAIS