Você está em Opinião / COXIA /
Coxia
18 de agosto de 2017
Coxia 2327
Sem cavalgada I

João Monlevade ficará sem sua tradicional Cavalgada pelo segundo ano consecutivo. A licitação para a escolha da empresa que iria realizar a festa não contou com nenhuma interessada e o processo, que aconteceria ontem (17), foi anulado. Os motivos pelo desinteresse seriam a falta de tempo para a divulgação, organização e obtenção de licenças. O evento aconteceria entre os dias 7 e 10 de setembro.


Sem cavalgada II

João Monlevade fica sem cavalgada por mais um ano consecutivo. A festa, muito esperada pela população, vai perdendo sua força. Se continuar assim, logo, logo, deixará de ser uma tradição e passará a ser um retrato na parede. Teófilo Torres (PSDB), em seu último ano de governo, não realizou a festa e Simone Carvalho (mesmo partido) segue a mesma cartilha no primeiro. Faltou tempo, ou boa vontade pra fazer a festa?

Prefeitos

Prefeitos da região se reuniram nesta semana e redigiram um documento a ser entregue ao presidente da Amepi, Léris Braga (PHS). O teor não foi divulgado. O que se sabe, é que eles manifestam insatisfação com Léris, por ele ter demitido profissionais da Amepi, sem discutir o assunto em assembleia. Entre os que foram dispensados, estava o Secretário Executivo, Eduardo Quaresma, com 22 anos de casa.


De saída?

De acordo com os bastidores da política monlevadense, o clima não anda nada bom entre o vereador Belmar Diniz e o Partido dos Trabalhadores (PT) da cidade. Desde as últimas eleições municipais, há rumores da insatisfação do parlamentar com a militância da sigla, que teria apoiado, em sua maioria, o colega Gentil Bicalho. Alguns dizem que Belmar pode até deixar a legenda, na qual é filiado há 28 anos. Será?

De licença?

Vereadores denunciaram na tribuna da Câmara de João Monlevade dias atrás, possíveis irregularidades na concessão de licenças não remuneradas a servidores municipais efetivos (concursados), feitos pela Prefeitura. De acordo com eles, há funcionário da área de saúde que ficou de licença por 14 anos, enquanto a legislação prevê que a licença não pode ultrapassar dois anos. E o pior é que o setor de Recursos Humanos da Prefeitura confirma que o problema existe, incluindo outras áreas. Depois da “farra” das gratificações, seria a “farra” das licenças.

Segurança

Assaltos frequentes na estrada de acesso ao distrito do Jorge, em Rio Piracicaba, têm assustado moradores de toda a região. Segundo relatos, os assaltos se tornaram frequentes após a colocação de dois quebra-molas na entrada do distrito, já que os motoristas precisam diminuir muito a velocidade para passar no local. A iniciativa do DNIT objetivou levar mais segurança ao local, mas, pelo visto, levou foi insegurança. Triste ironia.

Maus tratos

Para quem acha que maus tratos a animais não é crime e não acarreta em punições, o alerta e bom exemplo vem de uma ação da Polícia Militar de João Monlevade no bairro Baú, realizada na última segunda-feira (14). Acionados pela Associação Cãopanhia do Bem, os militares conduziram para a Delegacia a possível proprietária de cães e gatos que estavam em situação crítica, sujos, presos a correntes e em pequenas gaiolas, famintos e sem acesso à higiene. Uma triste situação, mas que mostra que maltratar animais pode, e deve, dar cadeia.
LEIA TAMBÉM
 
Publicidade
Publicidade
31 3851-1791
Av. Rodrigues Alves, nº 78, República
João Monlevade/MG
NOTÍCIAS
OPINIÃO
OPINIÃO
SOCIAIS