Desde 1984
Samuel Miranda
10 de janeiro de 2020
Gestão Pública que merecemos
Caros amigos e amigas, estamos nos aproximando de mais um período eleitoral. Desta vez as escolhas serão para o Executivo e o Legislativo municipal. Nos últimos anos, uma grave crise financeira e política se alastrou em todos os cantos do nosso país e em todas as esferas do poder político nacional, cujo responsáveis se mostraram despreparados para exercerem os cargos que lhes foram concedidos pelos brasileiros.
Em 2018, houve um grande sentimento de mudança por parte da população, nunca antes foi vista uma significante troca de cadeiras no Congresso Nacional. Todavia tal ação não foi suficiente, uma vez que a maioria dos eleitos ainda são despreparados e não possuem um conhecimento técnico suficiente para exercerem os cargos nos quais foram eleitos. A importância da formação e experiência dos administradores públicos na máquina pública é extremamente urgente, a atual situação econômica das esferas estaduais e municipais, e, principalmente, da esfera nacional, não permite aventureiros, visto que a crise pode se agravar e afetar negativamente milhões de brasileiros.
Grande parte dos municípios do nosso país não possui sequer receita para pagar em dia o funcionalismo público. A população deve-se alertar para esses pequenos detalhes de experiência na gestão pública para não prejudicar a comunidade em geral com uma escolha errônea dos representantes do Executivo e Legislativo municipal. Em 2017, tive a honra e a felicidade de participar de um importante projeto da Assembleia Legislativa de Minas em parceria com a PUC Minas: o Parlamento Jovem. Com o apoio dos demais estudantes do projeto, consegui a aprovação de uma proposta de minha autoria que exigia a comprovação de experiência para todos os secretários nomeados pelos governadores e prefeitos do nosso estado. Infelizmente, essas e outras propostas do projeto foram ignoradas pelos deputados estudais mineiros.
Se tivermos um cuidado de investigar com afinco a vida pública do candidato em quem queremos votar e detectar que há, mesmo que mínima, uma experiência na vida pública de sucesso ou uma formação acadêmica que o capacita para a função desejada, o Estado funcionará com mais transparência e o êxito nas políticas públicas para a comunidade será maior.
Portanto, todo cuidado é pouco para designar o poder de chefiar uma máquina pública com um enorme poder financeiro para um cidadão inexperiente. Afinal, dependemos bastante das escolhas (em sua maioria erradas) dos nossos representantes no executivo e legislativo. Temos o poder de transformar esse cenário devastador e temos o dever de fazer isso para uma vida melhor dos futuros cidadãos brasileiros.

() Samuel Miranda é monlevandense e graduando em
Administração Pública na Universidade Federal de Lavras