Cotidiano
5 de abril de 2019

Menino Azul

Pedro sempre teve um olhar especial. Miudinho, desde o seu nascimento trouxe uma luz diferente para o dia a dia de toda a família. Pedro foi extremamente desejado. O primeiro neto de avós amorosos, que enfeitaram toda a casa, e esperaram ansiosos a sua chegada. Seus pais planejaram cuidadosamente a época da gravidez, com planilhas e manuais, se preparam para o nascimento do herdeiro.
Pedro nasceu iluminado. Lindo, com os cabelos lisinhos e pretos, olhos claros, como a avó materna, e pernas finas, como o papai. Foi recebido num quarto planejado por arquitetos, com carrinho moderno e os mais finos lençóis. Um verdadeiro principezinho, sorridente e autista.
Foi diagnosticado com um pouco mais de um ano, após sua mãe notar sua pouca interação. Ele fixava seu olhar em um ponto, num universo próprio e inatingível para todos que o cercavam.
Seus pais não aceitaram o diagnóstico. Procuraram segundas, terceiras e quartas opiniões, mas todos os médicos diagnosticaram o pequeno com autismo.
Pedro começou a falar já com 2 anos, e tinha graves problemas em se comunicar. Não conseguia estabelecer um canal de comunicação eficiente, com seus pais, avós ou babás.
Mesmo com a negação, seus pais estão aprendendo a lidar com o seu comportamento, e a superar cada fase. Pedro é um menino iluminado. Gosta de bola e de brincar com areia, não desgruda do seu patinho de borracha e também está na aula de natação.
Acabou de comemorar seus 4 anos, cheio de graça e saúde, rodeado pela família e pelos amigos mais próximos. Soprou a vela, mas se incomodou com o barulho das palmas, devido a sua audição aguçada.
Pedro decora facilmente frases inteiras que ouve nos desenhos da televisão, no entanto, se lhe perguntarem quantos anos têm ou qual é o seu nome, ele não responde. Tão inteligente que chega a surpreender a professora. Sempre no seu canto, está começando a gostar dos abraços dos colegas da turma e ontem até participou da brincadeira de roda.
Pedro é autista, atleticano, libriano, e filho único. Essas são apenas algumas de suas características, e o autismo não o define. Ele ainda é uma criança, serelepe e desafiadora para os pais, como todas as outras crianças. Ele é único, especial, um lindo menino azul.

() GABRIELA GOMES é publicitária e responsável pelo setor comercial do jornal A Notícia