Ponto e Vírgula
22 de fevereiro de 2019

Candidatos precisam se movimentar

Enquanto o grupo da prefeita Simone Carvalho (PSDB) oficialmente afirma que ela é candidata à reeleição, nos bastidores, a conversa é outra. Há quem afirme com todas as letras que a chefe do Executivo não será candidata e ainda amplia: ela não vê a hora de 2020 acabar. Até uma criança sabe que o marido dela, Carlos Moreira, é quem dá as cartas no governo e a prefeita finge muito bem em não ligar para isso.
A questão é que, se por um lado, a oposição sacramentou nesta semana o nome de Railton Franklin (PDT) como pré-candidato oficial, na base, uma pergunta fica no ar: quem vai substituir Simone, se ela não concorrer a um segundo mandato? A atual prefeita só concorre se tiver reais chances de vitória, atestada por pesquisas que confirmem isso. É o que asseguram pessoas ligadas a ela. Ressalto aqui, claro, que não se trata da pesquisa recente e que apontou duvidosos 66% de aprovação popular. Para chegar à reeleição, a equipe da prefeita precisará de dados reais e de estratégia política, além de informações precisas sobre o eleitorado para construir sua plataforma de campanha. Enquanto sua equipe confiar “nas pesquisas do dia”, no estilo do programa do marido da prefeita, ela não decola.
Já acreditando na desistência de Simone, na própria base governista, outros nomes tentam se projetar para serem os escolhidos de Carlos Moreira. Há quem aposte em Brenno Lima, do Settran, no vereador Djalma Bastos (PSD) e até no empresário Lucien Marques, que chegou a ser aclamado duas vezes e não engatou. Outro vereador, Sinval Dias, líder da prefeita na Câmara, também afirma estar preparado esperando apenas o aval do seu grupo. Ainda nos bastidores, já se ventilou o nome de Ariana Torres, diretora da Rádio Cultura e filha de Mauri Torres, ser a candidata... Enquanto isso, pouco ou quase nada se fala do vice-prefeito Fabrício Lopes (MDB) que até agora está na dele. Mas uma hora vai ter que se manifestar.
Outro que disse estar pronto para disputar a prefeitura, é o empresário Elgen Machado, o Machadão. Com prestígio político em meio a deputados, recursos financeiros após uma vida empresarial de sucesso e tempo disponível, ele diz que terá postura independente. Se o nome dele colar, promete surpresas. O monlevadense Werton Santos também anuncia seu nome nas redes sociais como pré-candidato e pode surpreender.
Ainda do lado oposicionista, Railton e os partidos que o lançaram como pré-candidato precisam definir rapidamente quem será o vice. Por ali, com vários nomes, o desafio maior será administrar os egos. Railton não nega que o seu vice natural é o ex-prefeito Laércio Ribeiro. O PT de Laércio é um dos maiores partidos da oposição e tem o vereador Belmar Diniz, que já falou que não quer voltar para a Câmara e propôs até dobradinha com Railton.
Além disso, não se pode dar as costas a Conceição Winter (PPS) que não nega o desejo de governar Monlevade. Ela tenta o cargo há 10 anos, desde quando foi traída por Carlos Moreira, ainda enquanto vice-prefeita, em 2008. Ironicamente, foi trocada por Railton, hoje, principal nome da oposição. A política muda toda hora, o tempo todo. E quem quiser sentar-se na cadeira de prefeito, precisa começar a se movimentar agora.

() Erivelton Braz é editor do A Notícia e fundador da Rotha Assessoria em Comunicação