Cotidiano
22 de fevereiro de 2019

Amizade raiz

Quando crianças, não imaginamos o quanto nossos amigos nos serão importantes ao longo da vida. Aqueles primeiros amigos, da escola e da rua de casa, com quem aprendemos a andar de bicicleta, brincamos de pique-pega e ralamos juntos os joelhos.
Amigos com quem fizemos trabalhos escolares, que eram seguidos por um bolo de chocolate feito com carinho pela mãe de um deles. Amigos com quem íamos ao clube, em longas tardes ensolaradas e que sempre acabavam com um saboroso picolé ou chup-chup.
Amigos que vinham em nossos aniversários, e com quem compartilhávamos os nossos novos brinquedos, contávamos as histórias das férias na roça dos avós, e riamos sem limites, por qualquer coisa.
Amigos de abraços demorados, colos magricelos e acolhedores, e diários (muitos diários), que eram recheados de papéis de bombom, convites e ingressos. Alegrias e aventuras vividas na infância.
Amigos que nos acompanhavam nos piqueniques, nas excursões escolares e até no enterro do gato de estimação. Amigos que nos faziam sentir em casa, mesmo longe dela, e que estiveram conosco em momentos difíceis, e confusos, segurando a nossa mão, o tempo todo.
Não imaginamos o quanto seus nomes nos trarão ternura a cada lembrança, e quanto eles nos farão falta, na vida adulta. Sentimos falta do cheiro da terra molhada quando jogávamos bola na rua depois da chuva, sentimos saudades da água com gelinho que a mãe de um deles nos trazia em dias de calor, do barulho, das músicas que nos faziam pular, dançar e dar altas gargalhadas.
Aos poucos esses amigos vão ficando pelo caminho, e um a um, vão seguindo suas histórias. Uns casam, outros mudam de país, alguns desaparecem sem explicação. Cada amigo, ao se tornar adulto, vai se juntando a outras turmas, a outras rodas de conversas, a outros mundos.
O que fica é a saudade infinita daqueles momentos vividos na infância, as muitas histórias, as lembranças que tem cheiro, sabor e nomes. Eles nos marcam e nos transformam mesmo sem saber. Também nos ensinam, nos encorajam e nos fazem sermos melhores, a cada desafio.
Amizade é um amor atravessado, recheado de surpresas, de aprendizados e enormes sentimentos. Não precisamos mudar de amigos, se entendermos que os amigos mudam, e que nós mudamos também, em cada fase de nossas vidas.
O que nunca muda são todas as experiências vividas e partilhadas, as alegrias, as aventuras, os shows improvisados, as tardes de brincadeiras. A amizade raiz está plantada em nossos corações, e nem o tempo, nem a distância podem mudar isso.

() GABRIELA GOMES é publicitária e responsável pelo setor comercial do jornal A Notícia