Desde 1984
Coxia
1 de fevereiro de 2019
Coxia 2474
Vale?
A segurança deve vir em primeiro lugar, antes de qualquer coisa. Chamou a atenção a reunião na Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (Amig), que reuniu prefeitos da região, preocupados com a possibilidade da diminuição dos royalties do minério. Dinheiro é muito importante, mas é preciso cobrar mais rigidez na segurança porque vidas não têm preço. Vale a pena?
Amig
Falando na associação, o prefeito de São Gonçalo do Rio Abaixo, Antônio Carlos Noronha Bicalho (PDT), foi reeleito diretor da Amig. Ronaldo Lage Magalhaes, prefeito de Itabira, também continua como vice-presidente da entidade. Poderiam usar os cargos na entidade para pressionar as mineradoras por mais segurança na região. Nomes e força para isso, eles têm, porque estão à frente de duas maiores cidades mineradoras do estado.
Patrocínio
O Jornal O Tempo de ontem (31) destacou que 102 deputados estaduais e federais de Minas Gerais, eleitos em 2014, receberam dinheiro de mineradoras em suas campanhas. Inclusive, os dois da região, Tito Torres (PSDB) e Nozinho (PDT). Segundo o jornal, Tito recebeu cerca de R$2 mil e Nozinho, ex-prefeito de São Gonçalo do Rio Abaixo, pouco mais de R$50 mil. Aquele foi o último ano em que empresas podiam doar recursos para candidatos. Fica a pergunta: Como os políticos podem cobrar mais rigor das empresas, se a maioria da Assembleia e muitos da Câmara Federal receberam dinheiro em suas campanhas?
Manda
Em áudio divulgado pelo jornalista Chico Franco, em seu programa na rádio Comunicativa, na manhã de ontem, o ex-prefeito Carlos Moreira é flagrado em conversa com o vereador Belmar Diniz (PT), afirmando a ele que, em caso de dúvidas sobre o governo, pode pedir informações diretamente a ele, insinuando que ele resolve. “Liga para mim e fala: Ô Carlos, pede Simone para olhar isso para mim. Pode me ligar a hora que você quiser”. Moreira está inelegível e proibido pela justiça de tratar com o poder público. Mas quem fiscaliza?
Postura
O vereador, que é da oposição, parece concordar e não responde. “O papel dele deveria criticar o ex-prefeito e dizer que não trataria com ele, mas diretamente com a prefeita”, disse o advogado Fernando Garcia, que também é filiado ao PT e crítico de Belmar, que comentava o programa ao lado de Chico Franco.
Convite
Ainda no áudio, o ex-prefeito também convida Belmar para se unir ao grupo político dele, afirmando que “nós temos 16 partidos”. Ele alerta que o PT acabou e que o vereador tem futuro, mas precisa deixar a legenda. Ele também afirma que tem eleitor de Belmar que apoia seu grupo. “Você tem chance de vir para nosso lado, não tem?”, questiona. Pesquisa do dia: Será que o petista aceita? Sim, ou não?
Leles Pontes
O novo presidente da Câmara, Leles Pontes (PRB), além de projetos para aproximar o cidadão do Legislativo, também anuncia que estuda implantar sistema de energia fotovoltaica ou solar na casa, para gerar mais economia. Ele confiou a direção da casa à experiente Rosimeire Magalhães, funcionária de carreira e irmã do vereador Cláudio Cebolinha. Leles afirma que confia plenamente nela e que o nome da servidora não foi indicação do irmão, secretário na Mesa Diretora.
Passagem
A passagem do transporte público de João Monlevade fica R$0,25 mais cara a partir de domingo (3). A prefeita Simone, no entanto, se orgulhou de ter conseguido manter a tarifa social em R$1,00. Muito bem. Mas a Prefeitura de João Monlevade, o Settran e o Conselho Municipal de Transporte (CMT) sabem qual é o lucro da empresa e discutiram isso antes de concederam o aumento?
Volta às aulas
Preparando para a volta às aulas, nos últimos dias, segundo a Prefeitura, o município contratou 143 professores, 18 monitores, 4 supervisores e 7 orientadores educacionais para atuarem neste ano. O Município já tem em seu quadro de efetivos mais de 400 profissionais dessas áreas. O retorno está previsto para o dia 18 de fevereiro, mas pode ser adiado, caso os atrasos nos repasses da educação, por parte do governador Romeu Zema (Novo), continuem.