Ponto e Vírgula
25 de janeiro de 2019

A trajetória de sucesso de Mauri

Quer queiram, quer não, Mauri José Torres Duarte é o maior nome do cenário político da região e que alcançou um patamar nunca antes alcançado por qualquer liderança do Médio Piracicaba. De forma alguma, ele é um político comum. Sua trajetória é marcada por uma ascensão sem precedentes. Ele iniciou a vida profissional como contínuo e assessor contábil, atendendo a prefeituras de João Monlevade e da região. Eleito deputado estadual em 1990, não apenas ocupou a cadeira na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e conseguiu destaques no Legislativo mineiro. Méritos de sua capacidade de articulação e grande pensamento estratégico.
Com incrível habilidade, foi líder do antigo PMDB, seu antigo partido, ainda no primeiro mandato como deputado. No segundo, em 1995, tornou-se vice-líder do PSDB, pouco tempo após a sua filiação na legenda e líder do Bloco da Maioria. Em 1998, foi líder do Bloco Social Trabalhista. Em seguida, tornou-se corregedor-adjunto, antes de chegar à Mesa Diretora, como 1º secretário. O próximo passo, não poderia ser menor ou menos importante: chegou à presidência da ALMG e foi reeleito, em ação inédita naquela casa, comandando a Assembleia de Minas por quatro anos consecutivos.
Enquanto presidiu a ALMG, aproximou-se do então governador Aécio Neves (PSDB) e tornou-se homem de confiança dele, chegando a governar Minas Gerais, como interino, em setembro de 2004. Isso garantiu a Mauri uma grande visibilidade, respeito até dos opositores e ampliação de sua atuação política. O histórico de seis mandatos também é outro fato inédito em nossa região, já que nenhum outro político chegou a tanto.
Apesar do currículo de destaque, ele tem um fato negativo em sua trajetória: ter sido citado em delação do empresário Marcos Valério, operador do mensalão petista e do mensalão mineiro, que o acusou de pedir empréstimo para comprar um apartamento em BH e de ter sido avalista dele. Mauri nega envolvimento e diz que o episódio não mancha sua biografia política. As investigações não avançaram.
No próximo dia 18, o ex-deputado assume a presidência do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG) do qual é membro desde 2011. O órgão é o fiscalizador e controlador da administração financeira e orçamentária do estado de Minas. A chegada de Mauri a esse posto é mais um ponto alto em sua carreira pública. O Médio Piracicaba jamais viu um político alcançar esse patamar e sem perder o vínculo com a cidade e a região.
Mauri continua presente em seu sítio em Monlevade, onde recebe amigos, políticos e parceiros. Conciliador, falando sempre baixo e bem menos do que ouve, ele continua sendo uma referência tanto para quem está na política ou fora dela, que o procuram em busca de soluções e conversas. Já entrevistei Mauri algumas vezes e a conversa com ele é sempre uma oportunidade de se aprender algo. Não é à toa, que ele chegou aonde chegou. Merece aplausos.

() Erivelton Braz é editor do A Notícia e fundador da Rotha Assessoria em Comunicação