Ponto e Vírgula
11 de janeiro de 2019

Um ano desses

Agora é oficial: 2019 começou com tudo e, inclusive, com ele já se foram os primeiros dez dias. Assim, só faltam 51 semanas para o ano terminar de novo. Não é ansiedade e muito menos excesso de futuro. Mas está mais que na hora de iniciarmos a busca pelos nossos objetivos. Afinal, um homem sem esperanças, é um homem morto. E precisamos acreditar em algo que nos motive e nos impulsione a seguir em frente.
Muitas pessoas fazem planos em dezembro, procuram metas, desenham os caminhos rumo a seus sonhos. Aprendi com a vida que os planos são nossas balizes, mas eles não precisam ser traçados no fim do ano. Aprendi que sempre é hora de recomeçar, de caminhar em busca do que queremos. Devemos aproveitar bem e melhor o nosso tempo. Pois ele não pode ser desperdiçado. Dessa forma, nunca é tarde para dar o primeiro passo e mudar o que precisa ser mudado.
No fim do ano, li uma postagem em rede social que dizia mais ou menos assim: fim de ano não é hora de reflexões. Fim de ano é tempo de festa, de confraternizar. Refletir pode ser em abril. E eu completo: o tempo e o convite à reflexão é feito quando se quer mudar a realidade. “Um dia”, simplesmente não existe no calendário. Portanto,seja lá o que você queira fazer, que se já feito logo.
Aproveite o momento e faça, a qualquer tempo, o seu próprio réveillon. Sempre é hora da virada, de deixar para trás aquilo que custa a nossa paz. Nada, nem ninguém, merecem lágrimas, insônia, angústia. Se a relação, se a cobrança, se uma situação lhe põe a faca no pescoço, é hora de dizer adeus e seguir adiante. Não traia a si mesmo em nome de nada. Não se trata aqui de ser irresponsável e pouco resistente às dificuldades. Elas sempre vão existir em qualquer situação. Afinal, sem desafios, a vida não progride. Crescer dói e todas as mudanças exigem transformações, muitas dessas, igualmente dolorosas.
Mas a questão principal é a sua felicidade, a partir do momento em que se assume correr os riscos necessários. “Viver é negócio muito perigoso”, escreveu Guimarães Rosa. E por isso, só por isso, a vida é muito curta para seguir fazendo as mesmas coisas, sem desejar mudanças, sem querer conquistar os objetivos, sem querer sonhar.
E neste ano, vamos com tudo, sem nos esquecer de que temos todo o tempo do mundo e ele pode ser apenas mais um dia. Por isso, basta de desculpas, de inventar motivos para não ir atrás do que se deseja. A vida é agora e o amanhã, é hoje. Vambora

() Erivelton Braz é editor do A Notícia e fundador da Rotha Assessoria em Comunicação