Ponto e Vírgula
21 de dezembro de 2018

O vento mudou. Acerte suas velas

Dois mil e dezoito se foi e, com ele, ficaram para trás todas as coisas que não foram feitas. Agora, não adianta mais pensar “naquilo que poderia ter sido e que não foi”, citando Manuel Bandeira. O momento é de olhar para 2019 e pensar naquilo que está por vir. Os ventos mudaram. Acerte e ajuste suas velas para o novo, que sempre vem.
Todo mundo tem planos de fim de ano. Todo mundo tem um sonho a conquistar. Uma meta, uma vontade. Ainda que essas sejam inconscientes. No entanto, é preciso entender que seus desejos só vão dar certo se você lutar por eles. É que tudo nesta vida tem um preço a ser pago. E só encontra o que se quer, quem está disposto a pagá-lo.
É preciso fazer um pacto consigo mesmo. Quanto você está disposto a se esforçar para alcançar o que se quer? Claro que há uma série de fatores que podem ser cruciais para alcançar um objetivo ou fazer você desistir dele. Inclusive, os fatores imponderáveis. Afinal, parafraseando o profeta Isaías, “os meus pensamentos não são os pensamentos de Deus, nem os caminhos de Deus são os meus caminhos”. Isso significa que nem sempre o que se quer está nos planos de Deus. Mas o lado bom disso é que de tudo, sempre se aprende alguma coisa.
Eu termino 2018 otimista e cheio de esperanças para um 2019 melhor. Sempre penso assim na virada do calendário. Eu espero acontecimentos, mas não estou parado. Entendi que nada, absolutamente nada acontece se a gente não se movimentar. Porque, se por um lado, “quem acredita sempre alcança”, por outro, é preciso caminhar em direção ao que se quer. Agora, quem não sabe o que quer, fica perdido sem direção e, definitivamente, não sabe valorizar o que encontra.
A gente perde muito tempo se preocupando com os outros, olhando o que todos estão fazendo sem, no entanto, prestar atenção em nós mesmos. Olhamos mais para fora do que para dentro. Condenamos o outro, num apontar de dedos irresponsável, mas esquecemos de nossos próprios defeitos. Por isso, é hora de refletir nossas ações e fazer o que precisa ser feito.
Até por que, sempre é tempo de recomeçar. Não há hora certa e, principalmente, nunca é tarde para dar o primeiro passo. Mas como é comum nessa época, aproveitemos a mudança do ano para mudar alguma coisa em nós. Joguemos fora o que não queremos mais. Deixemos para trás o que machuca e tira a nossa paz. E isso serve para tudo: pessoas, relacionamentos, posturas, hábitos. Até um emprego. Afinal, qualquer coisa que incomoda e tira o sossego, é cara demais para valer a pena.
Vamos celebrar mais esse merecido Natal, com os olhos voltados para nós mesmos, sem egoísmo, mas avaliando nossas ações para o novo ano que já está aí. E que 2019 seja um ano mais feliz, com a realização de todos os nossos desejos.

() Erivelton Braz é editor do A Notícia e fundador da Rotha Assessoria em Comunicação