Cotidiano
21 de dezembro de 2018

Menino Jesus

Cansado de ficar observando de longe as mazelas do mundo, o menino Jesus desceu de seu posto estático na cruz e decidiu visitar o mundo comum, por apenas um dia.
Sua Alteza, o senhor Deus, concedeu a folga ao pequeno menino, que há milênios permanecia obediente e compassivo.
O menino serelepe, mais que depressa saltou pelas nuvens em direção à terra, e antes mesmo de chegar, se assustou com tanta fumaça e sinais de poluição no ar.
Mesmo assim ele seguiu, chegou num campo verdinho, repleto de animais, que estavam famintos por conta da seca da região. O sol forte e a escassez de água fizeram com que o menino também sentisse sede, e ele mais que depressa fez cair a chuva por ali.
Mais adiante, já na cidade grande, ele ficou confuso com tantos veículos buzinando e tanta gente correndo, apressada. Ele não conseguia olhar seus rostos, que estavam abaixados segurando alguma coisa luminosa, que ele desconhecia. Depois soube que aquilo era o tal celular, invenção nova e já tão imponente.
O menino viu alguns idosos dormindo embaixo de um viaduto, viu escolas fechadas, filas de desempregados, e também muita sujeira e destruição.
Andando mais um pouco, ele viu crianças vagando famintas pedindo esmolas, viu filas nas portas dos hospitais e viu muita gente nublada, que lá do alto onde ele mora, ele não conseguia ver como eram infelizes.
De perto, ele se assustou. Viu como a raiva e a ira dominavam tantas pessoas, juntamente com a ambição e o egoísmo. Ele, um menino tão simples, de chinelos de dedos, não entendia como alguns precisavam de tanto para viver, e outros sobrevivam com tão pouco.
Quando pediu para descer à terra, nunca imaginaria que as coisas estariam tão diferentes por aqui. Onde estavam as rodas de amigos, que brincavam na rua até tarde da noite, sem medo? Ele queria participar da queimada e também jogar futebol com as crianças.
Onde estavam os almoços em família, com todos reunidos, papeando sem pressa, e sem desatenção? Ele queria participar disso também.
Onde estavam a paciência, a tolerância e a caridade? Antes elas andavam por aqui, mas agora ele não as encontrou. Perderam-se em algum desses abismos da vida?
Como menino que é, e com toda a imensidão de sentimentos que o envolve, ele, o menino Jesus, queria apenas o simples, o natural, aquilo de coração. A raiz de todo o universo foi plantada no amor do seu Pai, o senhor Deus, por todos nós. E aquele menino não encontrou isso por aqui.
Esperançoso por natureza, quando a noite caia e seu dia de visita terminava, ele deu um jeitinho de espalhar pitadas de esperanças naqueles corações, para que as pessoas nunca desistam umas das outras, e para que amanhã, quando o sol nascer novamente, e ele estiver no seu posto estático na cruz, o dia seja mais bonito para todos.
E para cada um, a começar por dentro. Dentro de casa, da família, dentro do coração. Sempre há tempo para renascer.

() GABRIELA GOMES é publicitária e responsável pelo setor comercial do jornal A Notícia