Editorial
21 de dezembro de 2018

O ano de Simone

Apesar da crise dos municípios, dos recursos sequestrados pelo governador Fernando Pimentel (PT) e de todas as dificuldades típicas, João Monlevade termina este ano com mais motivos para comemorar do que para chorar.
A cidade ainda está longe de ser a ideal, a que todos os monlevadenses merecem. No entanto, é preciso reconhecer o esforço do governo da prefeita Simone Carvalho (PSDB) em tentar acertar mais do que errar. Se por um lado, houve falhas, por outro, houve acertos extremamente importantes.
A ampliação do sistema de distribuição de água, por exemplo, pôs fim a problemas antigos de desabastecimento em bairros como Vale do Sol, Rosário e Mangabeiras. O município sobreviveu ao arrocho e déficit de milhões, que só não quebraram a cidade por conta da gestão eficiente. Mesmo assim, a Prefeitura não deixou de repassar os quase R$1 milhão por mês, fundamentais para garantir o funcionamento do Hospital Margarida. O Rota Escolar não deixou de funcionar e a Farmácia da Secretaria Municipal de Saúde também não ficou sem repassar medicamentos.
É claro que o cidadão quer sempre mais e está no seu direito de cobrar isso dos gestores públicos. Mas é hora de olhar para o lado mais cheio do copo. João Monlevade está muito melhor do que muitos municípios do país. A torcida é para que, em 2019, o governo Simone, que chega a seu terceiro ano, faça dele o melhor do mandato e resolva algumas demandas que prejudicam a cidade, como a falta de saneamento no bairro Cidade Nova, a ampliação da coleta seletiva para a região do Novo Cruzeiro, uma solução eficiente para melhoria do trânsito, só para citar algumas dessas.
Se não dá para a Prefeitura fazer tudo, é preciso apostar em Parcerias Público Privadas (PPP) e em projetos sérios, para dar mais resultado, ainda que com poucos recursos. A torcida é para que, em 2019, João Monlevade tenha um ano de ótimas notícias.