Editorial
7 de dezembro de 2018

Não é só dinheiro

Mais de 5 mil famílias monlevadenses recebem recursos do Governo Federal, que são fundamentais para a sua sobrevivência. A notícia é divulgada na mesma semana em que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que o Brasil passou a ter quase 2 milhões de pessoas a mais vivendo em situação de pobreza.
Dentre os programas sociais, os mais conhecidos são o Bolsa Família, a Tarifa Social de Energia Elétrica, Isenção na Taxa de Concursos Públicos, Benefício de Prestação Continuada, Facultativo Dona de Casa, Minha Casa Minha Vida e ID Jovem. Do total de inscritos, o município possui 2.351 famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família.
É muita gente que depende de ajuda para sobreviver e levar a sua vida com dignidade. Não se pode fechar os olhos para esse número e fazer de conta que eles não existem em nossa cidade, uma das mais ricas da região do Médio Piracicaba. Em época natalina, surgem ações beneficentes em prol dos humildes e dos aflitos sociais. E é claro que isso é bom. Mas, e durante os outros 12 meses do ano? Que tipo de atenção é dada a essas pessoas?
E quando se fala em atenção, não necessariamente estamos falando de dinheiro, doação de roupas ou utensílios. Mas de afeto, de uma palavra amiga ou mesmo, de um olhar mais atencioso. Isso não custa nada e qualquer pessoa pode doar um pouco de si, do seu tempo, para tornar o dia de uma pessoa, mesmo que desconhecida, melhor.