Editorial
26 de outubro de 2018

Recado da Câmara

Alguns vereadores de João Monlevade elevaram o tom contra o governo da prefeita Simone Carvalho (PSDB). Agora, eles falam em atrasar pareceres nas comissões para enrolar as votações de interesse do governo. A medida soa como um recado para a prefeita, que começou o governo tendo a maioria na casa e, hoje, tem muitos insatisfeitos. Pode funcionar se tiver adesão de mais parlamentares.
O que os vereadores querem é atenção do governo para atender as reivindicações de melhorias para as suas bases, no velho esquema político de ajudar para ser ajudado. A questão é que o grupo político da prefeita não quer conversa com os parlamentares que tecem críticas e apontam as falhas da administração. Como antídoto, a prefeita, sob articulação do seu marido, Carlos Moreira, têm valorizado demais alguns secretários e chefes, cacifando-os para serem candidatos nas próximas eleições. Com isso, esvaziam pedidos de vereadores e fazem de tudo para que os novos pupilos apareçam e fiquem bem com a população. Inclusive, resolvendo demandas que foram solicitadas pelos parlamentares.
É tão clara a intenção de fazer novos vereadores, que a Secretaria de Saúde, um dos calcanhares de qualquer administração, tem elevado número de candidatos derrotados e que, certamente, vão tentar voltar ao Legislativo na próxima eleição.
O mesmo ocorre em outras pastas, com alguns nomes tendo destaque e poder de comando, nitidamente com esse fim. Resta aos atuais vereadores aproveitarem o poder que o povo lhes confiou e exercer a vereança com olhar mais crítico e de forma independente. Está claro que o governo não está nem aí para eles. De resto, ou mudam sua postura, ou serão engolidos pelos comissionados em franca ascensão. Alguns já acordaram para isso e tentam reagir. Outros continuam assistindo a banda passar e, quando acordarem, será tarde demais.