Interesse Público
5 de outubro de 2018

A escolha do futuro

Desde julho, estou trabalhando na campanha do candidato a deputado federal por São Paulo, Vinicius Poit do partido NOVO, e acompanhando pelas redes sociais junto com os amigos e familiares, as campanhas dos candidatos de Minas Gerais. Os 35 partidos nos oferecem centenas de opções e temos que filtrar nossas escolhas pela honestidade, competência e compromisso de cada candidato.
As campanhas realizadas em São Paulo não se diferem das realizadas em Minas. Todos os candidatos estão nas ruas, junto com suas equipes, pedindo votos, apresentando suas propostas e planos de governo. Já os eleitores, muitas vezes, ignoram essas apresentações cansados das ilusões e promessas.
Porém, temos que nos preocupar, escutar o que esses candidatos estão dizendo para fazermos nossas escolhas no próximo domingo. O cenário econômico, político e social de Minas Gerais é preocupante: servidores recebem seus salários parcelados, filas de cirurgias e exames médicos, estrutura precária da segurança pública e escolas sem investimentos. Não vamos encontrar candidatos com varinha mágica capaz de resolver esses problemas em 4 anos, mas temos opções capazes de reconstruir Minas Gerais.
Neste ano, o primeiro voto será para deputado federal. Entre os candidatos, é possível encontrar aqueles com capacidade para propor, discutir e aprovar leis, além de fiscalizar e controlar as ações do Presidente da República. Iclusive, os que podem representar nossa região no Congresso Nacional.
O segundo voto vai para deputado estadual, cargo responsável pela elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA) dos estados. É na LOA que é definido quanto o estado vai arrecadar e poderá gastar com cada área de interesse público, como saúde, educação, cultura, entre outros, sempre de acordo com as metas estabelecidas pelo Plano Plurianual (PPA).
O terceiro e quarto voto será para senadores. Acredito que temos candidatos que possuem as condições necessárias para discutir os problemas do país– como economia, agricultura, segurança, saúde– e promoverem debates mais profundos em torno de projetos de lei.
Por fim, escolheremos nosso governador e presidente. De acordo com a pesquisa do Ibope divulgada terça-feira (02), apenas 9% dos eleitores não tinham escolhido seus candidatos a governador. Entre os favoritos está o ex-governador e atual senador, Antonio Anastasia (PSDB), que acredito ser o mais preparado, e o atual governador, Fernando Pimentel (PT), que demonstrou incapacidade administrativa durante seu primeiro mandato.
Seu último voto será para presidente. A polarização está entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Muitos eleitores que votariam em Geraldo Alckmin ou João Amoedo estão escolhendo votar em Bolsonaro com medo do PT voltar ao poder. Mesmo com maior tempo de TV, Alckmin não decolou nas pesquisas e João Amoedo é mais conhecido nas capitais e nas redes sociais, sendo pouco lembrado nas cidades do interior.
Portanto, recomendo a você pesquisar sobre todos os candidatos, para definir suas escolhas que comprometerão o nosso país. É fundamental conhecer as propostas e os trabalhos já realizados antes de escolher quem governará nosso futuro.

()Marcos Vinícius Cotta Ferreira é monlevadense, formado em Administração Pública e consultor na empresa Novos Governos.