Desde 1984
Região
05 de Março de 2021
Médio Piracicaba entra na onda roxa e endurece regras, mas Monlevade ainda não adere

Pelo menos por enquanto, João Monlevade não vai adotar as novas regras a serem implantadas pelos municípios da Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Rio Piracicaba (Amepi) para conter a disseminação do coronavírus na região. A justificativa é que a Prefeitura quer avaliar melhor a situação atual da Covid-19 na cidade, antes de tomar sua decisão. 

Nesta sexta-feira (5), uma reunião virtual de prefeitos e secretários de Saúde da região decidiu adotar medidas semelhantes às da Onda Roxa do programa Minas Consciente, do Governo do Estado,  e aumentar as restrições à circulação de pessoas. A nova regulação passa a valer a partir da próxima segunda-feira (8) nos municípios de São Domingos do Prata, Dom Silvério, Itabira, Santa Bárbara, Barão de Cocais, Bom Jesus do Amparo, Santa Maria de Itabira, Rio Piracicaba, Nova Era, Catas Altas e Ferros. As prefeituras de Bela Vista de Minas e Passabém optaram pelo início a partir da quarta-feira (10).  

Entre as novas imposições, estão a limitação da circulação de pessoas, que vigora entre as 20h e 5h, o uso obrigatório de máscaras em todos os espaços de uso coletivo, mesmo os privados. As pessoas que apresentarem sintomas de gripe somente podem deixar o seu isolamento para consultas e procedimentos médicos.Também estão proibidos todos os eventos com concentração de pessoas, mesmo respeitando o distanciamento social, e todas as reuniões presenciais, incluindo as familiares, exceto se todos os participantes
 residirem na mesma casa.

Em todos os municípios que adotaram a medida, somente está autorizado o funcionamento de serviços considerados essenciais durante os  quinze dias de vigência da determinação. 

As atividades que o novo protocolo considera essenciais são:

•    Setor de alimentos (excluídos bares e restaurantes, que só podem funcionar com entregas ou retirada no balcão);

•    Serviços de Saúde (atendimento, indústrias, veterinárias etc.);

•    Bancos;

•    Transporte Público (deslocamento para atividades essenciais);

•    Energia, Gás, Petróleo, Combustíveis e derivados;

•    Manutenção de equipamentos e veículos;

•    Construção civil;

•    Indústrias (apenas da cadeia de Atividades Essenciais);

•    Lavanderias;

•    Serviços de TI, dados, imprensa e comunicação;

•    Serviços de interesse público (água, esgoto, funerário, correios etc.)

Região Unida

O presidente da Amepi, o prefeito de São Domingos do Prata, Fernando Rolla (Avante), destacou que é função da entidade unir forças, propor o diálogo e a interação entre os municípios. 'É compromisso da Associação defender os interesses de nossa região, sempre de forma coletiva. Fizemos um protocolo geral para evitar um colapso profundo no sistema de saúde. Muitos hospitais estão no limite. Estamos agindo para evitar o pior', ponderou.

Já o vice presidente da Amepi, o prefeito de Itabira, Marco Antonio Lage (PSB) frisou que a instituição faz o exercício da democracia republicana: 'A decisão foi tomada em conjunto pelo bem da população das cidades e pelo bem de todo o Médio Piracicaba.