Desde 1984
Região
05 de Março de 2021
Médio Piracicaba endurece medidas contra Covid-19
Erivelton Braz
Secretário de Governo de Itabira, Gabriel Quintão, apresentou dados do município aos prefeitos

Prefeitos de cidades da região vão definir, hoje (5), uma série de medidas em conjunto, mais duras, contra o coronavírus. O encontro é intermediado pela Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Piracicaba (Amepi), e discute o aumento de casos de Covid-19. A ação mostra preocupação dos chefes do Executivo, em busca de soluções para conter o avanço do vírus e colapso dos sistema de saúde.
Conforme apurado, devem ser adotados novos decretos, que tratam dos horários de funcionamento de atividades comerciais, com potencial de aglomeração de pessoas, para enfrentamento da pandemia. Um lockdown regional não está descartado. 
Nos últimos dias, foram realizadas três reuniões para tratar o avanço da pandemia na região “Precisamos tomar uma decisão rápida. Não pode passar desta semana”, ressaltou o prefeito de João Monlevade, Laércio Ribeiro (PT). Para Décio dos Santos (PSB), prefeito de Barão de Cocais, é necessário coesão entre as prefeituras para encontrar as melhores soluções. Segundo ele, “é preciso respeitar as particularidades de cada município, mas os prefeitos não podem apresentar decretos completamente díspares. Caso contrário, as ações não terão efeito”.
Para o presidente da Amepi e prefeito de São Domingos do Prata, Fernando Rolla (Avante), o momento é delicado e medidas precisam se tomadas em conjunto. “Os prefeitos concordam que a situação na região precisa de medidas mais rigorosas, mas que devem ser tomadas em conjunto”, disse. Segundo Fernando, a reunião de hoje vai definir todos os critérios a serem tomados. Inclusive, pode ser redigido um decreto regional, válido para todas as cidades. 
Já o vice-presidente da Amepi, o prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage (PSB), demonstrou bastante preocupação. Mesmo não participando presencialmente, ele acompanhou a reunião através de vídeo e incumbiu a técnica da Vigilância em Saúde (Visa) de Itabira, Marly Procópio, de apresentar dados sobre o avanço da doença o município.  
Conforme números apresentados pela técnica, se nada for feito, poderá haver colapso dos leitos de Covid-19 nas próximas semanas em Itabira. Em vídeo, Marco Antônio explicou que o momento exige não só união dos prefeitos, mas também agilidade. Nesta semana, Itabira ultrapassou 70% de taxa de ocupação dos leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) para Covid-19. Na semana passada, o secretário de Governo, Gabriel Quintão, também abordou o tema e pediu empenho da Amepi para diminuir o contágio da doença.  
No encontro, a diretora da Gerencia Regional de Saúde (GRS) de Itabira, Maria Aparecida de Oliveira, confirmou o momento delicado e informou que poderá haver a transferência de pacientes de Covid-19 entre as microrregiões que compõem a regional. Ela explicou, por exemplo, que se faltarem leitos em Itabira, haverá transferências para João Monlevade e vice-versa. 
A diretora também informou que o Estado pediu leitos a Itabira, para pacientes de Uberlândia, mas acabou não concretizando. “É uma situação que pode, sim, acontecer, por se tratar de leitos do SUS”, disse.

Alta incidência

O coordenador da Vigilância Epidemiológica da GRS, Marcelo Barbosa, chamou a atenção para o fato de que as taxas de incidência de Covid-19 nas microrregiões de João Monlevade e Itabira, acumuladas entre março de 2020 e fevereiro de 2021, são mais altas que a média do estado e da macrorregião Centro. Segundo ele, a taxa de incidência estadual é de 4089,5 casos. Na macrorregião Centro o índice é de 3986,8. Já na microrregião de Itabira esse número é de 5.622,2 e na microrregião de João Monlevade, que é composta pelos municípios de João Monlevade, São Domingos do Prata, Nova Era, Rio Piracicaba e Bela Vista de Minas, a taxa de incidência de 4.423,6.